Ver Angola

Economia

Desemprego aumenta quatro pontos percentuais. País com 4,7 milhões de desempregados

A taxa de desemprego no segundo trimestre de 2020 em Angola aumentou quatro pontos percentuais face ao período homólogo do ano passado, estimando-se em 32,7 por cento e em cerca de 4,7 milhões de desempregados, divulgou o INE.

:

Segundo o Inquérito ao Emprego em Angola (IEA) referente ao segundo trimestre de 2020, a taxa de desemprego subiu quatro pontos percentuais face ao segundo trimestre do ano de 2019, registando-se um total de 4.737.747 desempregados.

O inquérito revelou que a taxa de desemprego "foi estimada em 32,7 por cento, valor superior em 0,7 pontos percentuais ao do trimestre anterior (32,0 por cento) e 4,0 pontos percentuais relativamente ao trimestre homólogo (28,7 por cento)".

"No segundo trimestre de 2020, a taxa de desemprego da população com 15 ou mais anos aumentou em 0,7 pontos percentuais. A população desempregada com 15 ou mais anos aumentou em 0,05 por cento comparativamente ao primeiro trimestre de 2020, correspondendo a um aumento de 2290 pessoas", destacou a nota.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou ainda que a população inactiva com 15 ou mais anos aumentou 14,3 por cento (257.350 pessoas) relativamente aos primeiros três meses do ano.

O relatório explicou também que devido à pandemia de covid-19, 2,7 por cento da população empregada esteve ausente no trabalho no segundo trimestre de 2020, o que representou 266.265 pessoas de um total de 9.751.457.

A nota realçou que "os indicadores sobre o mercado de trabalho mostram algumas evidências marcadas pelo impacto da pandemia de covid-19".

"Na actual situação, pessoas nos trimestres anteriores classificadas como desempregadas e pessoas que efectivamente perderam o seu emprego devido à pandemia podem, neste trimestre, ser classificadas como inactivas. A não disponibilidade para começar a trabalhar, por motivos relacionados com a pandemia, pode levar ao acréscimo da população inativa", assinalou.

Segundo os indicadores do inquérito, "de igual modo, pessoas anteriormente classificadas como empregadas podem actualmente ser consideradas como desempregadas ou inactivas".

"Assim, a diminuição trimestral da população empregada e o aumento da população desempregada, observadas no segundo trimestre de 2020 (apesar da recolha apenas cobrir os meses de Maio e Junho, a amostra é representativa a nível nacional), podem ser parcialmente explicadas por este contexto e refletiram-se na diminuição da população ativa e no aumento da população inactiva", apontou.

O INE revelou que apesar da situação de pandemia fará "todos os esforços para manter a produção e divulgação trimestral dos dados" e espera divulgar a próxima edição, referente ao terceiro trimestre de 2020, no final de Outubro.

Relacionado