Agualusa e Pepetela entre os 54 semifinalistas internacionais do Prémio Oceanos

Dois escritores angolanos e 18 portugueses estão na lista dos 54 semifinalistas do Prémio Oceanos de Literatura, criado depois da extinção do Prémio Portugal Telecom, que distingue anualmente as melhores obras publicadas em língua portuguesa.
:
  

Os semifinalistas foram anunciados na noite de Quinta-feira, numa sessão realizada no Consulado-Geral de Portugal em São Paulo, em que também foram homenageados a autora brasileira Marília Garcia e o português Bruno Vieira Amaral, os dois primeiros classificados da edição do prémio, no ano passado.

Os autores angolanos selecionados nesta etapa do prémio Oceanos são José Eduardo Agualusa, com o livro de crónicas "O Paraíso e Outros Infernos", e Pepetela, com o romance "Sua Excelência, de Corpo Presente".

Vieira Amaral está de novo entre semifinalistas do Oceanos, em 2019, com o livro de crónicas "Manobras da Guerrilha". De Portugal também foram selecionados os romances "Princípio de Karenina", de Afonso Cruz, "Pão de Açúcar", de Afonso Reis Cabral, "Luanda Lisboa Paraíso", de Djaimilia Pereira de Almeida, "Eliete", de Dulce Maria Cardoso, "Juncos à beira do caminho", de Francisco José Viegas, "Ecologia", de Joana Bértholo, "A Devastação do Silêncio", de João Reis, "Ensina-me a Voar sobre os Telhados", de João Tordo, "Meio Homem Metade Baleia", de José Gardeazabal, e "O fogo será a tua casa", de Nuno Camarneiro 

Entre os semifinalistas portugueses estão também os livros de poesia "Olha-me como Quem Chove", de Alice Vieira, "Tratado", de Luís Carmelo, "Estranhezas", de Maria Teresa Horta, "Traçar Um Nome no Coração do Branco", de Rosa Alice Branco, "Ao Ouvido do Diabo", de Rui Xerez de Sousa, e "Aquilo que Não Tem Nome", de Victor Oliveira Mateus.

Está ainda entre os semifinalistas o livro de contos "A Vida É Um Tango e Outras Histórias", de Cristina Norton, escritora portuguesa de origem argentina, radicada em Portugal.

A lista de 54 finalistas completa-se com 34 obras de escritores brasileiros, na disputa pelo prémio, com destaque para os romances "A Cidade Dorme", de Luiz Ruffato, "A Tirania do Amor", de Cristovão Tezza, "Entre as mãos", de Juliana Leite, o livro de contos "Carne crua", de Rubem Fonseca, e a poesia de Wagner Schadeck, em "Quadros Provincianos".

Os organizadores do Oceanos informaram que os semifinalistas foram escolhidos por um corpo de 72 jurados de cinco países de língua portuguesa, entre um total de 1467 concorrentes de 314 diferentes editoras de 10 diferentes países.

Além de escolher os livros que permanecem na 'contenda', estes jurados votaram entre si e escolheram igualmente o júri intermediário, que vai avaliar os 54 livros semifinalistas para, em Novembro, eleger os 10 finalistas.

Em 2019, a curadoria do prémio Oceanos está a cargo da linguista cabo-verdiana Adelaide Monteiro, da jornalista portuguesa Isabel Lucas, da gestora cultural Selma Caetano e do jornalista Manuel da Costa Pinto, ambos do Brasil.

O valor total dos prémios é de 250 mil reais (63,2 mil dólares), dinheiro que será dividido por três. 

O livro vencedor receberá 120 mil reais (30 mil dólares), o segundo colocado, 80 mil reais (20 mil dólares) e, o terceiro, 50 mil reais (12 mil dºolares), concorrendo entre si os livros de diferentes géneros literários.

O Prémio Oceanos conta com os patrocínios do Banco Itaú, da República de Portugal (através do Fundo de Fomento Cultural do Ministério da Cultura), da CPFL Energia e tem o apoio do instituto Itaú Cultural.

Mais Lidas