Ver Angola

Banca e Seguros

Demitiram-se administradora e presidente da comissão executiva do BFA

A administradora do Banco de Fomento de Angola (BFA), Maria Manuela Moreira, e o presidente da comissão executiva, António Domingues Catana, apresentaram renúncia, depois da demissão do ex-vice-presidente António Domingues, que alertou o regulador para “grave incumprimento” das normas bancárias.

:

Maria Manuela Moreira é visada numa auditoria de 2017 onde foram detectadas operações bancárias suspeitas que motivaram uma denúncia feita por António Domingues.

As demissões de Maria Manuela Moreira e de António Domingues Catana foram divulgadas pela instituição bancária, numa nota enviada à Agência Lusa sobre o caso.

Depois de António Domingues, a 6 de Julho, seguiram-se as demissões de Otília Carmo Faleiro a 8 de Julho, Maria Manuela Moreira a 10 de Julho e António Domingues Catana, na terça-feira, que foi substituído por deliberação unânime do Conselho de Administração, no dia 14 de Julho, por Luís Roberto Fernandes Gonçalves.

O novo presidente da comissão executiva é funcionário público desde 1996 e desempenhou no BFA várias funções de direcção, foi presidente da comissão executiva do BFA Gestão de Activos e administrador executivo do banco BCS.

No que respeita à auditoria de 2017, a administração de então recebeu esclarecimentos por parte da administradora e concluiu que não existirem razões que levassem a duvidar da sua idoneidade, decidindo-se pelo arquivamento do processo.

Em Maio de 2020, a actual administração tomou conhecimento desta auditoria e decidiu fazer um novo relatório, cujas conclusões não motivaram a reabertura do processo.

Esta decisão levou à renúncia do gestor português António Domingues, que alertou o Banco Nacional de Angola para a violação das normas bancárias.

O BNA já instaurou uma inspecção ao BFA, que o banco espera  que “confirme as decisões tomadas em 2017 pela administração”.

Na auditoria de então, uma gerente do Banco Fomento Angola (BFA) disse que depositou 250 mil dólares em notas na conta de Manuel Paulo da Cunha, 'Nito Cunha', antigo chefe de gabinete do ex-PR José Eduardo dos Santos a mando de Manuela Moreira.

Essa mesma gerente esteve envolvida numa operação de depósito no valor de 21,8 milhões de kwanzas, na conta de uma estudante de 23 anos, sem razões para ter esse dinheiro.

De acordo com o relatório de auditoria de 2017, as verbas são da agora ex-administradora Manuela Moreira, que terá instruído uma gestora e essa gerente do banco a utilizarem a verba para a aplicação no BFA Oportunidades, um produto financeiro disponível à época.

O BFA tem uma maioria de capital da operadora móvel Unitel (51,9 por cento), cabendo ao banco português BPI (48,1 por cento) o restante.

Em 2019, a Unitel passou para as mãos da Sonangol, afastando a empresária Isabel dos Santos do controlo da operadora.

Desse modo, a empresária, filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos, deixou de controlar indirectamente a gestão do BFA, culminando o processo com a nomeação do ex-ministro Rui Mangueira para presidente do Conselho da Administração, sucedendo a Mário Leite Silva, que renunciou ao cargo em Janeiro.

O gestor português Mário Leite Silva é um dos facilitadores portugueses dos negócios de Isabel dos Santos que envolvem esquemas financeiros suspeitos e está constituído arguido pela justiça angolana.

Relacionado