Duas localidades de Angola e Namíbia já aceitam moedas de ambos os países

Duas localidades fronteiriças de Angola e da Namíbia passaram ontem a aceitar as moedas de ambos os países, kwanza e dólar namibiano, aplicando um acordo bilateral de conversão monetária que permite a cada cidadão movimentar até 500 mil kwanzas.
Dreamstime:
    Dreamstime

De acordo com informação do Banco Nacional de Angola (BNA), o acordo facilitará a "conversão recíproca das moedas nacionais" de Angola e da Namíbia, nas cidades fronteiriças de Oshikango e Santa Clara (no sul).

Cada cidadão residente cambial poderá viajar para o país vizinho (e efectuar transacções) com entre 150.000 kwanzas e 500.000 kwanzas, entre menores e maiores de idade, respectivamente.

Estas quantidades só podem ser trocadas nas casas de câmbio ou instituições bancárias das duas localidades, mediante as taxas de câmbio fixadas pelos respectivos bancos centrais.

"Pretende-se com a aplicação do presente acordo melhorar as actividades comerciais e, consequentemente, reforçar as relações económicas entre os dois países", explicou anteriormente, em informação enviada à Lusa, o BNA.

Ambos os países partilham uma fronteira de mais de 1.300 quilómetros, com um dólar namibiano a valer actualmente cerca de nove kwanzas.

A localidade de Santa Clara é um importante posto aduaneiro angolano, com um mercado informal fortemente frequentado pelos namibianos, distando cerca de cinco quilómetros de Oshikango, do outro lado da fronteira.

De acordo com o BNA, este acordo, que ontem entrou em vigor, permitirá facilitar a integração e promoção das relações comerciais entre os dois países, deixando de ser necessário, nas transacções manuais, o recurso a moedas não emitidas por aqueles dois bancos centrais.

Estabelece ainda as regras de circulação e aceitação de moeda emitida por cada um dos bancos centrais, a adopção de taxas de câmbio de referência, os termos de repatriamento da moeda do país contraparte e a modalidade de compensação líquida entre as moedas.

Estão também previstos limites às quantidades de moeda do país vizinho a transaccionar.

Mais Lidas

:
Já começa a custar…