Associação dos Portos de Portugal defende marca comum da lusofonia

O presidente da Associação dos Portos de Portugal defendeu a criação de uma marca comum "com requisitos mínimos de qualidade" para ser usada por todos os operadores nos portos lusófonos e facilitar as trocas comerciais.
:
  

Em entrevista à Lusa a propósito do VIII Congresso dos Portos de Língua Portuguesa, Vitor Caldeirinha considerou que uma das medidas mais importantes para facilitar a movimentação da carga nos portos lusófonos, e assim aumentar as trocas comerciais, é "criar uma marca de qualidade que implique requisitos mínimos de qualidade e procedimentos padronizados", a serem seguidos por clientes, carregadores e armadores e agentes de navegação".

Para o também presidente do Porto de Setúbal, a "facilitação de procedimentos aduaneiros nos portos" é outra das medidas que devia ser equacionada para facilitar a movimentação de carga nos portos dos países lusófonos. Na preparação para o congresso, na quinta e na sexta-feira em Maputo, Vitor Caldeirinha explicou à Lusa que os temas em destaque incluem "a análise dos novos projectos portuários e logísticos no espaço da CPLP, facilitação de procedimentos aduaneiros nos portos da CPLP, criação da marca de qualidade dos portos da CPLP, formação e cooperação técnica entre portos, estudo de mercado dos portos da CPLP e cooperação entre armadores lusófonos no espaço Atlântico".

Questionado sobre se a nova pauta aduaneira, que entrou em vigor em meados do ano passado, e a descida do preço do petróleo, no final de 2014, já tiveram efeito na actividade portuária de Angola, Vitor Caldeirinha admitiu que "nota-se algum efeito nos portos com a redução do preço do petróleo a nível internacional", mas salientou que, de forma geral, a qualidade do serviço está a melhorar nos portos lusófonos.

"Nos últimos anos, é notória uma melhoria da qualidade do serviços portuários nos portos de todos os países da CPLP, o que tem contribuído para um incremento dos movimentos de bens", disse o responsável, concluindo que "o encontro em Maputo visa melhorar o contexto para incrementar e facilitar mais as trocas para o futuro".

Dividido em dois dias, o congresso dos portos de língua portuguesa arranca na quinta-feira de manhã, com a presença dos ministros do sector de Moçambique, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, e com o secretário de Estado das Infra-estruturas, Transportes e Comunicações português, Sérgio Monteiro.

Mais Lidas