Ver Angola

Cultura

Futuros Líderes de Angola recebem diplomas e regressam ao país

Quarenta e seis estudantes do Programa de Bolsa de Estudo do Fundo Soberano de Angola (FSDEA) receberam os seus diplomas numa cerimónia que contou com a participação de representantes do FSDEA e da Universidade de Ciências Aplicadas de Zurique (ZHAW), academia de formação dos recém-graduados.

Eduard Meltzer:

Organizada pelo FSDEA, a cerimónia de outorga de diplomas representa um marco fundamental no compromisso do Fundo para a capacitação de profissionais angolanos, refere um comunicado da instituição a que o VerAngola teve aceso. Após um programa intensivo de formação de seis meses, no quadro do projecto “Futuros Líderes de Angola”, implementado em parceria com a ZHAW, os 46 formandos regressaram a Angola, munidos de conhecimentos e competências para impulsionar as suas carreiras e contribuir para o progresso do país.

Felicito a todos os participantes deste programa inaugural. Cada um dos quadros que regressou representa mais um passo em frente para o progresso de Angola. Promover a formação profissional é um pilar fundamental da estratégia do FSDEA para constituir capacidade interna para desenvolver todo o país. Observar a concretização deste desafio através do empenho e determinação da juventude prova que grandes acontecimentos positivos podem e irão acontecer num futuro breve em Angola”, referiu o Presidente do Conselho de Administração do FSDEA, José Filomeno Dos Santos.

Sobre a cerimónia de graduação, o Vice-Reitor da Escola de Gestão e Direito da ZHAW, Daniel Seelhofer afirmou que “este curso proporcionou a estes jovens angolanos uma excelente formação em negócios, que agirá indubitavelmente como catalisador nas suas carreiras. Sendo uma Universidade líder na Suíça, com um forte foco na aprendizagem orientada para a prática em mercados emergentes, tem sido fantástico ver estes alunos aproveitarem esta oportunidade, e como resultado, estamos confiantes de que irão desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento futuro dos negócios em Angola”.