Ver Angola

Energia

Projecto Clov Fase 2, no Bloco 17, já entrou em funcionamento

A produção do Projecto Clov Fase 2, no Bloco 17, já arrancou. A confirmação foi dada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) e a TotalEnergies, que indicam que o projecto tem como objectivo "estabilizar os níveis de produção e permitir ao operador adaptar-se de forma adequada à volatilidade do meio ambiente".

:

"A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis e a TotalEnergies E&P Angola confirmam o arranque da produção do projecto Clov Fase 2, que inclui a perfuração de sete poços e que se espera venha a atingir uma produção de 40 mil barris de petróleo/dia", pode ler-se num comunicado remetido ao VerAngola.

De acordo com a nota, o projecto fica situado a cerca de 150 quilómetros da costa angolana, "com uma lâmina de água de entre 1100 a 1400 metros e dispõe de recursos estimados em 55 milhões de barris de petróleo".

O projecto foi lançado em 2018 e, segundo o comunicado, foi entregue dentro do prazo previsto, tendo respeitado o orçamento inicialmente estabelecido, apesar das limitações impostas pela pandemia de covid-19.

O presidente em exercício da ANPG, Belarmino Chitangueleca, citado no comunicado, considerou que "o arranque da Fase 2 do Clov chega no momento certo e com o objectivo certo, uma vez que Angola precisa de atenuar o declínio da sua produção petrolífera e de trabalhar para a aumentar num futuro próximo".

"Para nós, projectos como este são igualmente importantes porque enfatizam o compromisso dos grupos empreiteiros com Angola, país que os acolhe e respeita desde sempre, e no qual nem a crise provocada a nível mundial pela covid-19 abalou os seus interesses e investimentos", acrescentou.

Por sua vez, o presidente da TotalEnergies, Nicolas Terraz, destacou que o arranque deste projecto, alguns meses depois do Zinia Fase 2 "é prova dos esforços da TotalEnergies para assegurar uma produção sustentável no Bloco 17, estando de acordo com a nossa estratégia de concentrarmos os investimentos em projectos de baixo custo e que contribuam para baixar a intensidade média das emissões de GEE da nossa produção".

Também realçou que a entrada em funcionamento deste projecto "ilustra" o "bom desempenho" das equipas "apesar da crise sanitária provocada pela covid-19".

O Bloco 17 é operado pela TotalEnergies (38 por cento), que conta com a parceria da Equinor (22,16 por cento), a ExxonMobil (19 por cento), a BP Exploration Angola Ltd (15,84 por cento) e a Sonangol P&P (cinco por cento).

Relacionado