Angola conquista campeonato africano de andebol feminino pela 13.ª vez

A selecção feminina de andebol conquistou esta Quarta-feira em Brazzaville, na República do Congo, o 13.º título de campeã de África, ao derrotar na final o Senegal por 19-14, mantendo o pleno de sete vitórias em outros tantos jogos.
Federação Angolana de Andebol:
    Federação Angolana de Andebol

As ‘Pérolas’, como são conhecidas as jogadoras da selecção nacional, perdiam ao intervalo por 7-10, mas uma consistência defensiva na segunda parte, em que sofreram apenas quatro golos, garantiu o 13.º título continental, mantendo um domínio quase total desde 1989, ano em que venceu a prova pela primeira vez, só perdido para a Nigéria (1991), Costa do Marfim (2006) e Tunísia (2014).

Na disputa pelo terceiro lugar da 23.ª edição da competição, a República Democrática do Congo venceu a congénere dos Camarões por 33-21 e, tal como Angola e Senegal, conquistou um lugar no campeonato do mundo de andebol, a disputar em 2019, no Japão.

Ao longo da prova, que decorreu em Brazzaville, na República do Congo, a seleção teve um percurso imaculado e repleto de goleadas. Na fase de grupos, Angola derrotou sucessivamente a Guiné-Conacri (40-17), Marrocos (50-14), República Democrática do Congo (33-24) e a anfitriã República do Congo (32-19).

Nos quartos de final, a selecção derrotou a Argélia por 41-17 e, nas meias-finais, os Camarões por 25-16, fase em que o Senegal derrotou a República Democrática do Congo por 22-21.

A selecção nacional viu também premiada a ‘pivot’ Albertina Cassoma como jogadora mais valiosa do campeonato, que também integra o ‘sete ideal’, ao lado das companheiras de equipa Isabel Guialo e Azenaide Carlos, ambas laterais.

Albertina Cassoma, que, aos 22 anos, já venceu o campeonato africano nas edições realizadas em Marrocos (2012) e Luanda (2016), ‘destronou’ a compatriota Natália Bernardo, vencedora do prémio na prova disputada na capital.

Além das três jogadoras angolanas, integram o ‘sete ideal’ do campeonato de andebol feminino de África a senegalesa Sokou (guarda-redes), a congolesa Cristiane Mwasessa (meia distância, central), a tunisina Hamela Bi (ponta direita) e a senegalesa Wa Diop (ponta esquerda).

Mais Lidas

Cláudia Rodrigues Coutinho:
De Luanda para o Mundo