A opinião de...

Parabéns: Edson, Paula e Stefano, e Angola!


Parabéns: Edson, Paula e Stefano, e Angola!

Dominick Tanner

Director da galeria Espaço Luanda Arte

Você poderá não saber, porque os media em Angola ainda não se aperceberam, mas o Pavilhão que ganhou o Leão de Ouro em Veneza 2013, ou seja, o Pavilhão de Angola e as 23 emblemáticas fotografias do artista angolano Edson Chagas sob o título "Luanda, Cidade Enciclopédica", podem agora ser revisitadas em Cape Town, na África do Sul no recentemente inaugurado Zeitz Museu de Arte Contemporânea de África ou, simplesmente, Zeitz MOCAA - localizado perto do famoso V&A Waterfront.
Ana Brígida:
    Ana Brígida

Esta é uma grande conquista não só para o fotógrafo Edson Chagas e para o seu trabalho, estar na 'Coleção Joachim Zeitz' entre umas estimadas 400 a 500 obras que estão emprestadas ao Museu - o primeiro Museu Africano a mostrar arte estritamente do continente e da diáspora, uma plataforma para os africanos contarem e recontarem a sua própria história. Mas é também um tributo extraordinário aos esforços e êxitos da dupla curatorial Paula Nascimento e Stefano Rabioli. Além de um tremendo reussi para a Arte Contemporânea Angolana. E, acima de tudo, esta é uma grande vitória para Angola com as vantagens que advém da diplomacia e do goodwill cultural, e os benefícios de como Angola é (positivamente) vista no exterior.

Em particular: cobrir quase inteiramente um dos nove andares do Museu; ser visitado por uma estimativa de 200 mil pessoas por ano; e, ter a possibilidade de ver a sua obra emprestada a outras coleções e outros museus ao redor do mundo. Resta agora saber se servirá de catalisador de curiosidade e pesquisa ao trabalho de outros artistas Angolanos e, ao fazê-lo, abrir o caminho para eventuais aquisições futuras desses mesmos artistas?

Um bom exemplo disso foi há dois anos atrás, uma equipa curatorial do Museu Tate Modern, do Reino Unido visitou Luanda, e pesquisou uma série de ateliers na capital e falou com inúmeros agentes do mundo das artes: desde artistas, passando por curadores e até mesmo colecionadores. Essa visita trouxe frutos - quase de imediato uma obra do Kiluanji Kia Henda foi adquirida para a Colecção do Tate Modern.

Por isso, é importante que ainda mais vitórias destas venham depois do Kiluanji e do Edson para que a Arte Contemporânea Angolana se mantenha no mapa internacional de forma coerente e consistente, e pertence de colecções fortes nacionais e internacionais, de forma a ser condignamente exposta e comunicada ao público.

Mais Lidas