Ver Angola

Economia

Sonangol aliena 50 activos no imobiliário, petróleos, turismo e telecomunicações

A petrolífera Sonangol anunciou a alienação dos seus activos nas imobiliárias portuguesas Puaça S.A, Diraniproject III e Diraniproject V, nas petrolíferas Sonacergy - Serviços e Construções Petrolíferas e Sonafurt International Shipping e na Atlântida Viagens e Turismo.

:

A administradora executiva da Sonangol, Josina Baião, apresentou a lista de 50 empresas participadas e activos controlados pela petrolífera estatal, para alienar, prevendo-se que em finais de Outubro tenham início os roadshowsnacionais e internacionais para anúncio das vendas.

No âmbito do Programa de Privatizações (ProPriv), que lista 195 empresas públicas a serem privatizadas total ou parcialmente, até 2022, só a Sonangol deve alienar 20 empresas e/ou activos até Dezembro.

Estão previstas a alienação de 26 empresas em 2020, três em 2021 e uma em 2022, que compreende a abertura do seu capital.

Da lista apresentada em Luanda, no segundo dia de um seminário metodológico sobre o ProPriv, consta também desinvestimentos nas empresas participadas e ativos na Sonangol Cabo Verde - Sociedade e Investimentos e na Combustíveis e Óleos de São Tomé e Príncipe.

Participações nas empresas Founton (Gibraltar), Sonatide Marine (Ilhas Caimão), Solo Properties Nightbridge (Reino Unido), Societé Ivoiriense de Raffinege (Costa do Marfim), Puma Energy Holdings (Singapura) e Sonandiets Services (Panamá) também serão alienadas até 2021.

Josina Baião deu conta igualmente que a petrolífera vai vender a sua participação as empresas WTA-Houston Express e na francesa WTA.

A Sonangol detém igualmente activos a privatizar em empresas nacionais dos sectores da saúde, educação, transportes, telecomunicações, energia, construção civil, recursos mineiras e petróleos e banca.

A alienação de mais de 60 activos da petrolífera, dos sectores das finanças, telecomunicações, imobiliário, indústria, entre outros, vai tornar a empresa "financeiramente mais robusta", assegurou a administração.

Segundo o presidente do Conselho de Administração da petrolífera, Sebastião Gaspar Martins, os activos a privatizar têm sido avaliados no âmbito do programa de regeneração da empresa com vista a centrá-la apenas no seu objecto social.