Ver Angola

Educação

Reinício das aulas no país adiado sem nova data

O reinício das aulas no país, que estava previsto para a próxima Segunda-feira, foi adiado sem nova data, anunciou esta Terça-feira o ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida.

: Lusa
Lusa  

"A decisão é não reiniciar as aulas na Segunda-feira. O princípio é de continuar a fazer acompanhamento da situação e, oportunamente, voltar a um novo pronunciamento sobre a matéria", avançou o governante em conferência de imprensa em Luanda.

Este foi um dos temas abordados numa reunião de trabalho para avaliar a situação epidemiológica presidida esta Terça-feira pelo Presidente da República, João Lourenço, "tendo sido dadas indicações aos órgãos competentes para, nos próximos dias, em princípio amanhã (Quarta-feira), publicar um acto que anuncia a decisão".

As aulas no ensino geral e universitário em Angola foram suspensas em Março, antes de o Presidente declarar o estado de emergência, que decorreu entre 27 de Março e 25 de Maio, ao qual se sucedeu a 26 de Maio a situação de calamidade pública.

O decreto que determina a calamidade pública previa o reinício da actividade no ensino superior e no segundo ciclo do ensino secundário a partir de 13 de Julho, embora "dependente da evolução da situação epidemiológica".

A ministra da Saúde, Silvia Lutucuta, declarou na conferência de imprensa que "não há um jogo do empurra" no que diz respeito ao regresso às aulas, tratando-se de uma estratégia concertada entre os vários departamentos ministeriais.

Questionado sobre a possibilidade de regresso ao país, cujas fronteiras estão fechadas desde 20 de Março, de cidadãos angolanos em voos humanitários, Adão de Almeida adiantou que a prioridade é a criação de condições para, faseadamente, repatriar cidadãos angolanos que se encontram nalguns países com dificuldades para voltar.

"Têm sido feitos voos nesse sentido, os últimos para a Zâmbia e o Zimbabué e está em permanente análise o regresso de cidadãos noutras localidades", respondeu.

O ministro acrescentou que os voos para permitir que concidadãos possam voltar têm de ser feitos de forma faseada, de acordo com a capacidade de quarentena, com vista a diminuir a importação de casos de covid-19.

"As autoridades competentes, à medida que a programação for feita, irão anunciar aos cidadãos a realização dos voos", realçou.

O país conta com um total de 386 casos de infecção pelo novo coronavírus, dos quais 21 óbitos e 117 recuperados.

Relacionado