Ver Angola

Economia

Investimento chinês em Angola até Maio já ultrapassou metade do total do ano passado

A China investiu em Angola, entre Janeiro e Maio deste ano, 120 milhões de dólares mais de metade do valor total concretizado em 2019, revelou à Lusa o embaixador, Gong Tao.

: Gong Tao, embaixador da China em Angola (Foto: Lusa)
Gong Tao, embaixador da China em Angola (Foto: Lusa)  

"No ano passado, o volume do investimento chinês em Angola situou-se nos 200 milhões de dólares e nos primeiros cinco meses deste ano o volume do investimento directo, mesmo com a pandemia, alcançou 120 milhões de dólares", adiantou o diplomata em entrevista à Lusa.

Para o embaixador chinês em Angola, estes dados reflectem "a importância, o interesse" que os empresários e investidores daquele país asiático têm relativamente a Angola evidenciando boas perspectivas para que as duas economias continuem a cooperar.

Gong Tao destacou que desde há alguns anos, a China é o principal parceiro comercial de Angola e tem sido um dos maiores investidores, mostrando que os dois países "sabem complementar-se e obter vantagens recíprocas".

Mesmo num momento de pandemia, em que o intercâmbio de pessoas e o comércio foram afectados, "o investimento que os empresários chineses continuam a fazer aqui em Angola é significativo", assinalou.

A agricultura e a indústria, têm sido os sectores mais atractivos, tanto na província de Luanda como noutras províncias, como o Bengo, onde surgiram recentemente novas unidades fabris.

Segundo Gong Tao, além de uma fábrica de baterias e outra de azulejos, está também a ser instalada uma fábrica de detergentes que deve iniciar a produção ainda este ano.

Além de contribuir para a criação de postos de trabalho, "este tipo de investimento corresponde às políticas actuais do governo angolano", direccionada para a "diversificação da economia nacional", aumento da capacidade produtiva do país e reforço da industrialização, frisou.

"Constatamos igualmente que o governo angolano está a encorajar o desenvolvimento do sector privado com estímulos a nível fiscal e créditos às empresas para superarem as actuais dificuldades", acrescentou o embaixador.

Questionado sobre se os minérios são também um sector que capta o interesse chinês, tendo em conta o anúncio recente da participação de uma empresa daquele país na exploração de nióbio na Huíla, o diplomata afirmou que esta é uma área em que governo angolano "esta a dar mais abertura" para atrair mais investidores.

"Se tudo correr bem, se houver benefício para ambas as partes penso que vamos ter mais destes investimentos", afirmou, realçando que "quando o mercado está aberto, está livre" trará empresários "tanto da China como de outras partes".

Sobre se o investimento chinês em Angola poderá superar, este ano, o de 2019, Gong Tao foi cauteloso, notando que "a situação de pandemia ainda está a evoluir", apesar de o governo angolano "estar a fazer tudo o possível" para o controlo da situação.

"Não temos certezas para os próximos meses, mas, de modo geral, os investidores chineses depositam grande importância no mercado angolano e pensam que com as politicas favoráveis à melhoria do ambiente de negócios vão ter mais facilidades, mais ajudas para fazer mais investimentos e participar mais no desenvolvimento económico" de Angola que, destacou, continua a ser "um parceiro estratégico para China".

Quanto à renegociação da dívida de Angola com a China, está em cima da mesa.

"As instituições financeiras chinesas estão a manter contactos com as autoridades angolanas", disse Gong Tao, sem especificar os montantes que estão em causa e escusando-se a adiantar se está também a ser negociada a dívida com credores privados.

Relacionado