Ver Angola

Economia

União Europeia apoia pequenas e médias empresas no acesso financeiro

Um projecto de apoio às micro, pequenas e médias empresas no acesso ao financiamento, denominado "Envolver", foi lançado esta Quarta-feira, em Luanda, no âmbito de um financiamento de dois milhões de dólares da União Europeia ao Governo.

:

De acordo com uma nota de imprensa da União Europeia, o projecto, com duração até 2025, será liderado pelo Instituto Nacional de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (INAPEM), a quem cabe a missão de incentivar e alargar o acesso das micro, pequenas e médias empresas aos serviços financeiros.

O projecto prevê a formação e capacitação de todos os atores envolvidos, nomeadamente as micro, pequenas e médias empresas, bancos comerciais, sistema judiciário, entre outros, através do estabelecimento de um diálogo público-privado estruturado.

"Destinado aos agentes que operam em dinâmicas empresariais, este programa tem como objectivo, por um lado, reforçar a capacidade dos agentes dinamizadores da economia na diversificação de serviços financeiros e na criação de instrumentos financeiros inovadores e, por outro lado, incrementar a melhoria do uso inclusivo desses serviços financeiros mais diversificados e inovadores, junto das micro, pequenas e médias empresas, das mulheres, dos jovens e das populações rurais", refere-se na nota.

A parceria conta com o apoio técnico do IAPMEI e do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) na dinamização de um conjunto de actividades, como acções de formação e sensibilização, desenvolvimento de instrumentos de apoio à gestão, eventos temáticos dirigidos ao sector público e privado, campanhas de sensibilização para o incremento da literacia financeira, entre outras.

No documento salienta-se que actualmente o sector privado e as micro, pequenas e médias empresas enfrentam vários desafios no exercício da sua actividade, nomeadamente barreiras burocráticas à criação de um negócio, acesso limitado a financiamento e a crédito, infra-estruturas insuficientes, baixo nível de qualificação dos recursos humanos e dificuldades de acesso à moeda estrangeira.

A embaixadora da União Europeia em Angola, Jeannette Seppen, citada na nota, sublinhou que o projecto "insere-se no esforço conjunto da União Europeia e do Governo angolano para gerar empregos e valor acrescentado para o país, o que necessita mobilizar todos os instrumentos, desde o capital humano até às fontes de financiamento para dinamizar o ambiente de negócios em Angola".

Por sua vez, o presidente do Instituto Politécnico de Setúbal, Pedro Dominguinhos, referiu que a instituição que dirige está fortemente empenhada neste projecto, para o qual "espera contribuir para o fortalecimento das competências dos quadros angolanos e para a dinamização da cultura empreendedora e da criação de empresas em Angola".

Já o secretário de Estado-adjunto e da Economia português, João Neves, igualmente citado na nota, destacou a importância do projecto que "trará progressos significativos tanto ao nível da capacitação e cooperação institucional, como ao nível do acesso das micro, pequenas e médias empresas a novos serviços financeiros, mais diversificados, inovadores e inclusivos".

Francisco Sá, presidente da Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI), considerou o projecto "uma valiosa oportunidade para partilhar experiências e metodologias de trabalho, contribuindo para o enriquecimento institucional do reforço da cooperação entre todos os envolvidos".

Relacionado