Ver Angola

Economia

Banco Mundial: Angola cresce 3,1 por cento este ano e 2,8 por cento em 2023

Segundo as novas estimativas, Angola deverá ter saído da recessão económica já no ano passado, registando um crescimento de 0,4 por cento, que se segue a cinco anos consecutivos de quebra do Produto Interno Bruto (PIB), melhorando, ainda assim, a quebra de 5,4 por cento em 2020, o pior ano desta série.

:

O Banco Mundial não aborda especificamente as razões do crescimento de Angola, englobando este país lusófono no conjunto das economias da África subsaariana, e detalha apenas os valores previstos para o crescimento económico entre 2019 e 2023.

"A produção na África subsaariana cresceu uns estimados 3,5 por cento em 2021, alimentada por uma recuperação no preço das matérias-primas e por um abrandamento das restrições" no âmbito da pandemia de covid-19, lê-se no relatório.

"A recuperação continua frágil e insuficiente para inverter o aumento na pobreza devido ao impacto da pandemia, e a ameaça de surtos recorrentes de covid-19 continua", o que faz com que a previsão de crescimento esteja quase um ponto percentual abaixo da estimativa para 2019 e 2020, aponta-se ainda no documento.

No relatório, o Banco Mundial diz que as três maiores economias da região (Nigéria, África do Sul e Angola) deverão ter crescido 3,1 por cento no ano passado, o que reflecte uma melhoria das estimativas anteriores, e aponta que o crescimento de Angola e Nigéria foi sustentado pela recuperação no sector não petrolífero, "com a produção de petróleo na região a continuar abaixo dos níveis anteriores à pandemia devido às perturbações no trabalho de manutenção e pelo declínio dos investimentos nas indústrias extractivas".

A pandemia, acrescentam, "fez reverter o progresso na redução da pobreza e em vários objectivos emblemáticos do desenvolvimento em toda a região, anulando mais de uma década de ganhos no rendimento per capita nalguns países".

Em Angola, Nigéria e África do Sul, entre outros, o rendimento per capita "deverá continuar mais baixo em 2022 que há uma década", alertam os economistas.

Entre os principais riscos apontados no relatório, o Banco Mundial destaca a pobreza, a insegurança alimentar, o aumento dos preços dos alimentos e as tensões geopolíticas, que "podem afectar o sentimento dos consumidores e abrandar o crescimento".

Em particular, o Banco Mundial aponta que "uma moderação substancial no crescimento mundial pode desencadear uma correcção significativa em baixa nos preços das matérias-primas, prejudicando os produtores de petróleo e de metais da região".

Entre os riscos identificados, o Banco Mundial salienta que os países que enfrentam dificuldades na sustentabilidade da dívida podem ter mais dificuldade no acesso ao financiamento internacional, o que motivaria ajustamentos orçamentais abruptos.

As baixas taxas de vacinação contra a covid-19 também colocam a ameaça de "surtos recorrentes e mais severos", e a instituição avisa ainda que "a pandemia prolongada pode amplificar os desenvolvimentos passados e os desafios de saúde, descarrilar as reformas estruturais e orçamentais, e resultar em perdas duradouras de capital humano".