Ver Angola

Indústria

Grupo Castel estima colher 18 mil toneladas de milho em 2021

O director executivo do grupo Castel Angola, Philippe Federic, revelou que o grupo prevê colher, a partir do segundo semestre do próximo ano, cerca de 18 mil toneladas de milho com o projecto agrícola da província de Malanje. A utilização da produção do seu próprio projecto, permitirá ao grupo poupar cerca de 15 milhões de dólares, uma vez que deixará de importar material para produzir bebidas.

:

Segundo o responsável, estão a ser explorados cinco mil hectares para produzir grãos (em inglês: grits), que são utilizados na fabricação de cerveja.

Em declarações à Angop, o director do grupo Castel Angola – responsável pela produção das cervejas Cuca, Nocal, Eka e N'gola – revelou que 8000 toneladas de grãos estão a ser usadas para abastecer três cervejarias.

A utilização da produção do seu próprio projecto, vai permitir ao grupo poupar cerca de 15 milhões de dólares, uma vez que deixará de importar material para produzir as bebidas, sublinhou.

Além dos produtores internos de milho e cevada, o responsável admitiu que a empresa tem vindo a adquirir outro tipo de material aos produtores nacionais, dando o exemplo da Vidrul que fornece garrafas de vidro e da Tampac para latas.

Philippe Federic explicou ainda que cerca de 1800 hectares do projecto, avaliado em 40 milhões de dólares, já foram desmatados, estando neste momento a ser instalado um "sistema e irrigação de 600 metros, uma bacia de retenção, uma estação de bombagem e 27 quilómetros de tubos para abastecer cinco pivôs".

Sobre o impacto causado pela pandemia de covid-19, o responsável revelou que o grupo teve uma quebra acentuada, "na ordem de 45 a 50 por cento em termos de produção e vendas".

Devido às quebras, a empresa teve de fechar temporariamente algumas fábricas e despedir cerca de 1400 trabalhadores. Teve ainda de reduzir o preço da garrafa de cerveja de 300 para 150 kwanzas.

"Com essa estratégia foi possível a retomada progressiva da produção e das vendas e também o reenquadramento de cerca de 200 funcionários em várias unidades do grupo", indicou.

Relacionado