Governo quer apostar nas tecnologias de informação para diversificar economia

O Governo pretende apostar nas tecnologias de informação e no digital também como forma de diversificação da economia, afirmou o secretário de Estado que tutela esta área.
:
  

"O Governo está a apostar no negócio digital, também no quadro da diversificação económica, uma vez que o setor das TIC é transversal a todos os domínios. Queremos ver como podem as TIC melhorar a eficiência e desempenho em sectores como a Educação e Saúde, estendendo tudo, depois, a várias outras áreas", afirmou Manuel Homem.

O secretário de Estado para as Tecnologias da Informação, Manuel Homem, falava na cerimónia de lançamento da segunda edição do Fórum de Novas Tecnologias da Informação (AngoTic), subordinado ao tema "Making The Future", que Angola vai organizar de 18 a 20 de Junho de 2019, em que esteve também presente o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha.

Segundo os governantes, este é um “evento ambicioso" que pretende juntar em Luanda mais de 8000 participantes, incluindo "nomes, entidades e instituições de peso" de todo o mundo.

Sem adiantar muitos nomes e instituições, Manuel Homem referiu que estão já confirmadas as presenças do antigo primeiro-ministro de Cabo Verde José Maria Neves, do antigo director geral da Organização internacional do Trabalho (OIT) Amadou Touré, e de instituições como as Nações Unidas, entre elas a UNESCO, Banco Mundial (BM), e a SmartAfrica, liderada pelo Presidente do Ruanda, Paul Kagamé, entre outras.

Manuel Homem salientou que está em curso uma série de contactos ao mais alto nível, que a organização do evento dará a conhecer em breve no portal do Fórum - www.angotic.gov.ao -, prevendo-se que se aumente de 4500 para 8000 o número de participantes que irão presenciar as 54 sessões do evento, divididas por 16 temas, com mais de 60 oradores, quase o dobro (33) dos que estiveram presentes na edição de 2018.

Entre os temas, acrescentou, estão o Comércio Eletrónico, Cibersegurança, Inclusão Digital, Quarta Revolução Industrial, Big Data, Fake News ou Governação Eletrónica.

"Queremos fazer um fórum que se torne uma referência na região [da África Austral e de África]", sublinhou Manuel Homem, salientando que, além das sessões temáticas, haverá um grande espaço para expositores no evento, que decorrerá no Centro de Convenções de Talatona (a sul de Luanda).

Manuel Homem realçou que as principais recomendações saídas do Fórum de 2018 estão praticamente todas em curso. Entre elas, destacou o processo da instalação do domínio "ao" (referente a Angola) na Internet em servidores no país, a melhoria do acesso às redes de dados, o surgimento da quarta operadora de telecomunicações (até ao primeiro semestre de 2019) e a criação do Portal dos Serviços Públicos Electrónicos já em Janeiro do próximo ano.

Segundo Manuel Homem, o orçamento previsto para o Fórum ascende a 500 mil dólares, verba que será financiada pelo Governo e pelos parceiros que vão patrocinar o evento.

Mais Lidas

Cláudia Rodrigues Coutinho:
De Luanda para o Mundo