Ver Angola

Defesa

Eugénio Laborinho diz que polícia “não é o inimigo” e que “não há direitos absolutos”

O ministro do Interior afirmou que os cidadãos não devem olhar para os órgãos de polícia “como seu inimigo”, mas salientou também que “não há direitos absolutos” e que estes estão nivelados.

:

"Importa referir que nenhum direito é absoluto, pelo que, sempre que quisermos exercer alguma acção contemplada na lei, como sendo um direito fundamental, precisamos de estabelecer o grau de empatia e fazer o exercício de nos colocar no lugar daqueles que vão ressentir o efeito da sua acção, visto que os direitos fundamentais estão nivelados", destacou, no seu discurso de encerramento do Conselho Consultivo Alargado.

Como exemplo, Eugénio Laborinho indicou que os cidadãos têm o direito de se manifestar, mas isso "não legitima impedir que os outros circulem ou danifiquem os bens públicos ou privados".

Nas últimas semanas, duas tentativas de manifestação foram duramente reprimidas pela polícia em Luanda, terminando com detenções, incluindo de jornalistas, e, pelo menos, uma morte em circunstâncias ainda por esclarecer.

Para Eugénio Laborinho, "é fundamental que os cidadãos não olhem para os órgãos de Polícia como seu inimigo", mas compreendam a essência do seu trabalho que pressupõe "defender quem tem razão, estando sempre do lado da Lei, responsabilizando quem a viole" com vista ao cumprimento da legalidade.

"Neste sentido, dirijo uma palavra a todos os angolanos, para que no exercício dos seus direitos, como a liberdade de expressão, livre circulação, manifestação e outros, tenham em atenção o postulado na Constituição e na Lei", exortou o ministro, acrescentando que o direito de informar ou ser informado "não pode ser motivo para que o outro não exerça os seus direitos de resposta ou de interposição de uma acção judicial".

Eugénio Laborinho reconheceu que existem "falhas" e desculpou-se por "eventuais irregularidades ou excessos de zelo", prometendo que serão corrigidos.

Clarificou ainda que os órgãos de polícia "existem para garantir a ordem e a legalidade democrática, independentemente da filiação partidária, religião, raça, nacionalidade do cidadão", e servem os interesses de todas as instituições e de todos os cidadãos.

Só uma semana depois da última manifestação, que aconteceu a 11 de Setembro, na sequência da qual foi morto um estudante, o Governo falou de "excessos" a propósito da intervenção policial, pelas vozes dos ministros do Interior e da Justiça e Direitos Humanos, Francisco Queiroz.

Eugénio Laborinho abordou ainda o tema do estatuto remuneratório, que vai reflectir as diferenças e especificidades dos órgãos de segurança.
"Apesar de sermos entes da mesma família não podemos dar-nos ao luxo de querermos ser todos iguais", pelo que a especificidade do trabalho de cada órgão e de cada agente vai ser atendida.

"É neste sentido que se disse aqui e muito bem que o estatuto remuneratório de cada órgão vai atender estas nossas diferenças", indicou.