Ver Angola

Energia

Petróleo: João Lourenço diz que país tem espaço para mais investidores

O país tem espaço para mais investidores no sector petrolífero, especialmente nas áreas livres e em novas regiões de exploração das bacias sedimentares, disse o Presidente da República, João Lourenço, acrescentando que Angola está aberta "a todas as empresas que queiram participar com os seus investimentos na diversificação e desenvolvimento da economia angolana".

:

Ao falar, através de videoconferência, na abertura do fórum "Semana da Energia Russa", o chefe de Estado indicou que o país está empenhado em reforçar a cooperação com a Rússia no sector petrolífero.

Acrescentou que Angola está aberta "a todas as empresas que queiram participar com os seus investimentos na diversificação e desenvolvimento da economia angolana" e aproveitou a ocasião para recordar que o país fez uma reestruturação no sector do petróleo.

Citado pela Angop, João Lourenço avançou que a exploração e produção de hidrocarbonetos tem sido limitada ao petróleo e considerou que, por haver necessidade de se aproveitar, a nível económico, o potencial do gás natural, foi construída a fábrica Angola LNG.

O Presidente admitiu que o desenvolvimento do sector do gás se traduz numa "oportunidade para as empresas russas, tendo em conta a experiência que detém neste domínio".

No seu balanço, João Lourenço relembrou que o Governo "aprovou igualmente o Regime de Oferta Permanente de blocos, um instrumento que visa a promoção e negociação permanente de blocos licitados não adjudicados, áreas livres de blocos concessionados e concessões atribuídas a concessionária nacional, abrindo-se também aqui, uma oportunidade para as empresas russas".

Também referiu que o país está a erguer três refinarias, Cabinda, Soyo e Lobito, realçando que com estes projecto o país "passará a ter uma capacidade de refinação de cerca de 425 mil barris dia de petróleo bruto".

"Aqui configura-se uma oportunidade de investimento para as empresas russas, na construção da refinaria do Lobito, uma vez que ainda decorre o concurso público internacional de parceria societária que termina em Outubro do corrente ano", afirmou.

Também indicou que Angola pretende fazer uma exploração sustentável dos recursos fósseis, e de forma gradual mudar a principal fonte energética: "Com todos estes projectos, o país poderá criar oportunidades para o desenvolvimento de novas fontes renováveis de energia, como a solar, eólica, biomassa e outras".

Relacionado