Ver Angola

Defesa

Ministro da Defesa garante “aposta firme” na valorização dos ex-militares

O ministro da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria assegurou esta Quinta-feira à Lusa que a valorização dos ex-militares e veteranos constitui um dos pilares das acções em curso no ministério que dirige.

: Rosário Santos
Rosário Santos  

"Esse dado (a valorização dos ex-militares e veteranos da pátria) faz parte do programa que o ministério tem, no sentido de continuar a valorizar todos aqueles que deram o melhor de si para que o país fosse o que é hoje", afirmou João Ernesto dos Santos "Liberdade".

O governante, que falava no final do discurso sobre o Estado da Nação proferido esta Quinta-feira pelo Presidente, João Lourenço, no parlamento, garantiu "trabalho para que o sector possa desempenhar um papel decisivo na defesa do território nacional".

João Ernesto dos Santos "Liberdade" desvalorizou as reivindicações que ainda persistem no seio de ex-militares, sobretudo quanto ao aumento das suas pensões e melhores condições de vida.

"Não há grandes reivindicações em relação a isso (ex-militares)", assegurou o ministro.

"Estamos a trabalhar, acredito que dentro de mais um tempo a Assembleia Nacional irá apreciar a lei que vai permitir que os antigos combatentes tenham acesso a algo que hoje não têm", concluiu.

O Presidente, João Lourenço, falou esta Quinta-feira à nação durante um discurso que marcou a abertura do ano parlamentar 2020-2021.

Na sua intervenção, o chefe de Estado anunciou que o seu Governo vai financiar a aquisição de 500 tractores de produção nacional para entregar a ex-militares organizados em cooperativas.

Segundo João Lourenço, entre Outubro de 2019 e Agosto de 2020, foram reintegrados mais de 1550 ex-militares, alguns por via do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza e outros pelo Programa do Governo de Reforço da Integração, mas nem todos beneficiam das mesmas condições.

"Condenamos a atitude dos políticos e formações políticas que, enganosamente, prometem a ex-militares a sua inserção na Caixa de Segurança Social das Forças Armadas, direito reservado exclusivamente a oficiais na condição de reformados, processo esse que obedece a regras muito bem definidas por lei", declarou.

João Lourenço adiantou que o executivo vai financiar a fundo perdido, através do FADA (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrário), a aquisição de 500 tractores de produção nacional, para beneficiar ex-militares organizados em cooperativas.

Relacionado