A Opinião de Janísio Salomão

Faça-o mesmo Sr. Presidente, não hesite!


Faça-o mesmo Sr. Presidente, não hesite!

Janísio Salomão

Mestre em Administração de Empresas, Consultor Empresarial e Técnico Oficial de Contas

A quem chegou a pensar que, com os resultados do pleito eleitoral realizado no pretérito mês de Agosto do corrente ano, em que o MPLA e o seu cabeça de lista candidato a Presidente da Republica João Lourenço saíram vencedores com 61,10% dos votos, não haveria mudança no paradigma governativo do País, Angola seria a mesma, quem assim pensou está redondamente enganado.
:
  

Às vezes queremos mudanças radicais ou abruptas, mas estas não são aconselháveis para um País com as características peculiares como o caso de Angola, que viveu um longo período de conflito armado perto de quatro décadas com apenas um Presidente da República por razões sobejamente conhecidas.

Já diz um velho adágio chinês "uma longa caminhada começa apenas com o primeiro passo". Quero com isto dizer que as mudanças no País irão efectivamente ocorrer paulatinamente ao seu tempo e de uma forma natural.

Tão somente é importante que, haja boa vontade dos homens e, o Presidente da República nos seus discursos, pronunciamentos ou intervenções públicas deixou claro que quer "melhorar o que está bem o corrigir o que está mal", como o mundo está cheio de boas intenções, paulatinamente vai dando sinais e passos para tal direcção.

Podemos claramente depreender que existe vontade para engendrar as políticas e reformas necessárias para mudar o curso do País, para tal basta notarmos os primeiros engendrados passos rumo à reforma:

  • Nomeação de um elenco jovem e competente para o seu Gabinete;
  • No acto de tomada de posse os Governantes juraram e assinaram um compromisso de combater a corrupção e o nepotismo;
  • Criação através do Despacho 290/17 de 13 de Outubro que cria uma um grupo de trabalho com o objectivo de apresentar propostas que permitam melhorar o desempenho do sector da Indústria do petróleo e gás;
  • Exoneração do PCA do BDA, um banco de capitais maioritariamente públicos criado para apoiar do desenvolvimento do País, mas que efectivamente não fazia bem a sua tarefa de casa, já chegou acumular crédito malparado em milhares e milhares de dólares;
  • Extinção do Gabinete do GRECIMA, um organismo criado com o objectivo de assegurar o funcionamento das áreas de comunicação institucional, informação e marketing e imagem da República de Angola e seu Executivo, com orçamentos de milhares de dólares;
  • Fusão ou junção de alguns departamentos ministeriais com similitudes.

Queiramos ou não, a situação social, económica e financeira em que se encontra Angola exige reformas estruturais ingentes, e Sua Excelência o Presidente da República fez questão de deixar isto bem claro no seu discurso sobre o Estado da Nação proferido na Assembleia da República no preterido dia 16 de Outubro do corrente ano, ao realçar uma série de situações que enfermam o País nas suas mais distintas vertentes.

Resta-nos apenas dar todo o apoio necessário ao Presidente da República para a sua materialização. Se os pontos elencados no discurso do Presidente forem materializados em apenas 50 por cento, Angola não será a mesma.

Por isso, Camarada Presidente, no uso das prerrogativas que lhe confere a Constituição da República de Angola, faça o que tem que ser feito, materialize as reformas necessárias, não hesite em nenhum momento em usar os poderes que lhe foram conferidos pelos angolanos no pleito eleitoral realizado em Agosto.

Sabemos que não será uma caminha não fácil, mas sabemos também que não será impossível.

Comandante em chefe ordene!

:
A Sinfonia do BNA

Mais Lidas