Governo quer Huíla e Namibe como centro de excelência das rochas ornamentais

O Governo conta com o investimento privado nacional e estrangeiro para transformar as províncias da Huíla e do Namibe num centro de excelência na exploração e transformação de rochas ornamentais, disse fonte governamental.
:
  

A intenção foi manifestada pelo secretário de Estado para Geologia e Minas do Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, Jânio Victor, na visita que efectuou ao "stand" de Angola na Feira de Rochas Ornamentais, que decorre em Verona, Itália, na qual o país lusófono participa com mais de uma dezena de empresas exploradoras e transformadoras nacionais.

O governante sublinhou que Angola tem "produtos ímpares para levar ao conhecimento do mundo" e apelou aos investidores para que apostem na instalação de fábricas de processamento, em maquinaria para extracção e insumos.

"Queremos ver, doravante, em Angola e no mundo, subprodutos acabados, elaborados com as nossas rochas", exortou o secretário de Estado para Geologia e Minas.

Jânio Victor, que chefia a delegação nacional que participa pela primeira vez a título institucional neste tipo de feiras com periodicidade anual, tem como missão dar a conhecer as oportunidades e o ambiente de negócio do país, com vista a despertar o interesse de futuros investidores.

De acordo com o programa, o secretário de Estado para Geologia e Minas reúne-se com empresários angolanos e tem previsto para esta Sexta-feira a participação numa reunião da Assembleia-Geral da Associação Europeia de Operadores de Rochas Ornamentais (EUROROC), com os quais vai abordar as potencialidades geológicas de Angola.

Ainda para Sexta-feira, está previsto um encontro do governante angolano com responsáveis dos Centro Tecnológico de Mármores, para a apresentação de uma proposta de implementação no Lubango, capital da Huíla, de um Laboratório para Avaliação de Mármore.

Angola tem na sua lista de rochas ornamentais como as mais requisitadas o mármore azul (localizado no Muhino, província do Namibe), mármore branco (Serra da Lua, Namibe), granito cinza e creme (Quikombo, província do Cuanza Sul), Blue Moon, Blue Antique e Angola Silver (todos na província da Huíla).

A África do Sul, Congo, Líbano, Portugal, Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Polónia, Itália, Índia, China, Vietname e Taiwan são os principais países importadores das rochas ornamentais angolanas, produto exportado maioritariamente em bruto.

No primeiro trimestre deste ano, segundo dados do Ministério dos Petróleos e Recursos Minerais, as rochas ornamentais renderam ao Estado 1000 milhões de kwanzas, resultantes da comercialização de 20 mil metros cúbicos.

A MARMOMAC arrancou na quarta-feira e termina sábado, estando a participação angolana ao evento subordinada ao lema "As Oportunidades de Negócios em Angola".

Mais Lidas