Ver Angola

Imobiliário

Governo vai construir 3000 habitações sociais em Cabinda

Um total de 3000 habitações sociais vão ser construídas na província de Cabinda. A informação foi avançada pelo ministro das Obras Públicas e Ordenamento do Território, Manuel Tavares de Almeida, à margem de uma visita de trabalho de dois dias que realizou a Cabinda.

:

"Belize, Buco Zau, Cagongo e Cabinda estão entre os municípios que vão ganhar a construção de habitações sociais", pode ler-se num comunicado publicado no Facebook do Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território.

De acordo com a nota, os municípios do Belize, Buco Zau e Cacongo vão ter, cada um, um total de 420 casas, que se dividem em 300 vivendas e 120 apartamentos, todos de tipologia T3.

Já Cabinda fica com a fatia maior: "O município de Cabinda contempla um maior número de casas sociais, mais de duas mil e respectivas infra-estruturas".

Citado no comunicado, Manuel Tavares de Almeida mostrou-se satisfeito com o trabalho conjunto que está a ser feito entre Cabinda e o seu ministério.

"Estamos a trabalhar em estreita colaboração com o Governo Provincial de Cabinda. Tratando-se de um instrumento de ordenamento do território foi necessário alcançar entendimentos, algo que já conseguimos com Belize, Buco Zau e Cacongo", afirmou o ministro.

Segundo a nota, o projecto, que está alinhado ao Plano Nacional de Desenvolvimento, "contou com uma ampla recolha de contribuições e auscultação às autoridades locais, estratégia que evitou a colisão do projecto com os hábitos e costumes de cada povo e município".

"O projecto está a ser financiado pelo PIIM, já teve seu início e as empresas já estão contratadas", completou o governante.

Por sua vez, o governador provincial de Cabinda, Marcos Alexandre Nhunga, classificou o projecto como o começo de uma nova era que vem dar resposta aos desejos da população daquela zona e à dos jovens em adquirirem casa própria.

"Queremos agradecer a vinda à província de Cabinda da delegação do Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território e equipas técnicas de arquitectos e engenheiros civis para proporcionar melhor alinhamento e entendimentos alcançados em termos de localidades, onde estão a ser implementados os projectos que trarão satisfação ao povo de Cabinda", afirmou, citado pela Angop.