Ver Angola

Cultura

Hino da controvérsia: Big Nelo diz que não apresentou valor dez vezes superior ao orçamento proposto

O contrato celebrado entre o Estado - através do Ministério da Cultura - e a empresa Karga Eventos para a criação, gravação e divulgação do Hino dos 45 anos da Independência Nacional gerou polémica nos últimos dias. A empresa de Big Nelo foi acusada de ter revisto o orçamento e de ter apresentado um valor 10 vezes superior ao inicialmente proposto. Empresário já negou acusações e diz estar triste com as críticas de que tem sido alvo.

:

Na passada Sexta-feira, o Novo Jornal noticiou que o acordo inicial previa a atribuição de 14,3 milhões de kwanzas à empresa do rapper e empresário Big Nelo para que a música fosse produzida e divulgada. Contudo, o contrato assinado estabelece um orçamento 10 vezes superior ao que a empresa tinha inicialmente apresentado quando lhe foi atribuída a responsabilidade de criar, produzir e tratar da campanha publicitária do hino.

A Karga Eventos é acusada, segundo o mesmo jornal, de ter revisto o orçamento inicial: em vez dos iniciais 14,3 milhões de kwanzas, aprovados por uma comissão criada pela tutela para avaliar as propostas, o contrato final firmou um valor total de mais de 148 milhões de kwanzas.

No dia em que a peça do Novo Jornal foi publicada, o empresário, no programa "Viva em Casa", do ZAP Viva, desmentiu as informações divulgadas a seu respeito.

"Estou triste porque a proposta para o projecto nunca foi 14 milhões de kwanzas, mas sim 148 milhões", indicou, acrescentando que, entre outras despesas logísticas, o montante previa trabalho durante dois meses com 20 artistas em estúdio.

O valor foi aprovado por várias comissões, disse, frisando ser mentira a notícia avançada pelo Novo Jornal. "O que eu acredito é que terá havido um erro no envio do Ministério da Cultura às Finanças", justificou.

Apesar do desmentido, o contrato tem sido alvo de duras críticas. É o caso de Maruílio Luiele, primeiro vice-presidente da bancada parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), que considera um "exagero" o valor atribuído à criação do hino.

"Continuamos a ter prioridades muito mal definidas e não há dúvidas de que estes 148 milhões para elaborar e realizar o hino dos 45 anos é um exagero", disse, citado pelo DW.

O presidente do Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA), Francisco Teixeira, também partilha da mesma opinião de Maurílio Luiele.

"Só este ano, o Estado gastou para construção de uma escola de 12 salas no bairro Bom Pastor, na província do Huambo, perto de 50 milhões de kwanzas. E para construção de uma escola de 14 salas na província do Cuanza-norte perto de 48 milhões de kwanzas", disse, explicando que feitas as contas as verbas atribuídas para o hino davam para "construir três escolas".

A Karga Eventos venceu o concurso público para elaborar o hino da Independência Nacional, bem como o seu videoclipe. O hino conta com a participação de várias vozes nacionais, entre as quais Filipe Mukenga, Anna Joyce, Yola Araújo, entre outros.

Relacionado