Ver Angola

Ambiente

Ambientalista aproveita capim do Kilamba e produz adubo orgânico e cem por cento natural

Decorre desde o início do mês de Junho, no distrito urbano do Kilamba, um projecto ecológico de recolha de adubo orgânico cem por cento natural, proveniente do capim recolhido na centralidade.

:

A iniciativa da administração local, em parceria com o ambientalista Francisco Silvestre, destaca-se por querer tornar o município mais sustentável. A acompanhar os trabalhos está ainda Mário Godinho, engenheiro e director da repartição de Limpeza, Embelezamento e Espaços Verdes.

“Os inertes provenientes do corte do capim na área verde extensa da cidade serão agora re-aproveitados através da compostagem, que posteriormente irá tornar-se fertilizante, sendo que estes poderão voltar a ser utilizados pela administração em forma de fertilizantes para utilização em futuros espaços verdes”, explicou o responsável da centralidade, em comunicado remetido ao VerAngola.

Mário Godinho referiu ainda que, anteriormente, os resíduos eram reconhecidos e “levados a vazador”, ou seja, depositados num local onde “por aí ficavam”.

No entanto, o destino de todos os resíduos vegetais da cidade do Kilamba está já a ser tratado por especialistas que de forma cientifica vão fazer o re-aproveitamento dos mesmos.

De acordo com o ambientalista Francisco Silvestre, “a partir da recolha de três toneladas e meia é possível obter cem sacos de cem quilos. Depois da recolha o resíduo é colocado em sacos fechados durante quatro a oito meses à sombra”, explicou. 

O responsável pelo projecto avançou ainda que o adubo orgânico e cem por cento natural será “comercializado a custos muito reduzidos”.

A zona verde total do Kilamba ocupa uma área de 40 por cento da cidade.