Ver Angola

Indústria

Sector da indústria inova e produz metais galvanizados 100 por cento made in Angola

Pioneira no processo de galvanização a quente em Angola, a Galvostahl, marca da Anglobal, aposta na reabilitação da indústria com impacto directo na economia nacional.

:

Ao abrigo do Programa de Privatizações (PROPRIV) 2019 -2022, a Anglobal - empresa de Engenharia de capital angolano - adquiriu duas unidades na Zona Económica Especial Luanda-Bengo.

Os objectivos são claros, nas palavras de Victor Lima, PCA da Anglobal: "Modernizar, dinamizar e reinvestir no sector, apostando na inovação, na formação, na mão de obra qualificada e na oferta de um serviço de qualidade e de excelência".

Em comunicado remetido ao VerAngola, a empresa refere ainda querer contribuir para a criação de emprego e para o rápido desenvolvimento das infraestruturas do país, eliminando a dependência das importações.

A galvanização é uma aliada da indústria mundial contra a corrosão. Actualmente, estima-se que um país industrializado perca em torno de 3,5 por cento do seu PIB arcando com custos de corrosão, o que pode resultar em prejuízos de milhões dólares. Um dos melhores métodos para a mitigação da corrosão é a galvanização, explica a empresa.

Este processo é vital para a durabilidade dos materiais metálicos utilizados em diversos sectores como transportes (automóveis, reboques, ferrovias, etc), agricultura, construção, fundações, ferragens, tubagens, energia, torres de comunicação, entre outros.

O aço galvanizado é um dos mais antigos materiais de construção e fabrico de uso generalizado e é actualmente o material mais reciclado do mundo.

Mais de duas em cada três toneladas de aço são feitas de materiais reciclados, e até 95 por cento de alguns tipos de aço (o aço utilizado nos automóveis, por exemplo) é novamente utilizado.

A Anglobal actua no sector dos serviços das telecomunicações e das energias com soluções em equipamentos, operação e manutenção. Tem sede em Benguela e escritório em Luanda. Conta com mais de 600 colaboradores e está presente nas 18 províncias. Está também presente em São Tomé, Cabo Verde e Portugal.