Bastardô!: o vinho português que chega a Angola para quebrar regras

A Angonabeiro apresentou aos órgãos de comunicação social o seu mais recente projecto de distribuição em Angola: o Bastardô! Desenvolvido pela Wine With Spirit, empresa portuguesa, o portfólio é composto por vinhos criativos, autênticos, divertidos, fáceis de beber, envolventes e de elevada qualidade. São vinhos feitos a partir das melhores castas portuguesas, desenhados e produzidos para apurar todas as emoções.
:
  

Esta é uma marca de vinho presente em vários continentes, premiada nos principais concursos mundiais do sector, e é o resultado da aposta da Wine With Spirit em reverter o modelo produtivo tradicional, criando um portefólio de marcas onde as emoções e momentos de consumo são os drivers na construção do produto final, da marca às características de cada vinho. A marca traz consigo o Bastardô! tinto, branco e rosé. 

”Trazer o Bastardô! para Angola é um desafio que tem tudo para correr bem. São vinhos diferentes, extravagantes, divertidos e que podem capitalizar muito bem as classes mais jovens que gostam dos momentos sociais entre amigos e de desfrutar de bons vinhos”, refere José Carlos Beato, director regional da Angonabeiro, em comunicado remetido ao VerAngola. “Para a Angonabeiro “a qualidade é muito importante e estes vinhos são feitos a partir das melhores castas portuguesas”, acrescenta.

Para Bruno Vaz, director de operações da empresa Wine With Spirit, “a presença da marca em Angola é um marco muito importante. Este é um mercado com enorme potencial, em que acreditamos e onde sabemos que os convívios merecem ter Bastardô!. Fizemos um investimento muito significativo numa campanha multimeios (outdoors, digital, ponto de venda e eventos) com o apoio estratégico da agência Born, pouco comum para uma marca de vinhos e muito mais habitual no sector das cervejas, por exemplo... Isto demonstra que olhamos para o país como estratégico, que viemos mesmo para quebrar regras, numa altura de desafio de crescimento de Angola. Vamos ter todas as referências à venda na distribuição moderna por isso convidamos as pessoas a conhecer e provar”. 

Num evento dedicado aos órgãos de comunicação social, que contou com a presença de Bruno Coelho Vaz, director de operações da empresa Wine With Spirit, a Angonabeiro deu os vinhos a conhecer numa “prova cega” de emoções, da forma mais informal e divertida possível, assumindo desta forma o ADN da marca em cada acção. 

O Bastardô! branco é um vinho intenso e frutado no nariz, realçando o perfil dos citrinos frescos. Na boca, é um vinho muito equilibrado, fresco, com boa acidez e presença, ideal para acompanhar entradas e pratos de peixe ou mesmo carnes brancas grelhadas. É um vinho da região Tejo, com castas 65 por cento Fernão Pires e 35 por cento Malvásia Fina.

Já o rosé apresenta uma cor jovem carmim e o destaque vai para os aromas a morango, jasmim, framboesa, cereja e rosas. Na boca, sente-se um vinho rosé equilibrado, onde toda a presença aromática se mantém, revelando um perfil fresco, envolvente e elegante. Da região de Lisboa, conta com 60 por cento de Aragonês e 40 por cento Castelão nas suas castas.

O Bastardô! tinto é um vinho sério. No nariz, sente-se um vinho intenso e frutado, com notas a fruta vermelha madura. Na boca, tem presença e é redondo. Deve acompanhar pratos de carne (branca ou vermelha), beneficiando de pratos que acompanhem a sua estrutura. Vem da região Tejo de Portugal e conta com 40 por cento de Touriga Nacional, 30 por cento Syrah e 30 por cento Aragonez nas suas castas.  

Existe ainda a premium edition, que é um vinho da região Tejo, com castas 100 por cento vinhas velhas e com volume de 15 por cento. Passa por um estágio de 16 meses em barricas de carvalho francês e a garrafa é acondicionada em temperaturas controladas durante 14 meses antes da sua comercialização. 

Por último, estará também disponível em Angola o espumante da marca, directamente da região da Bairrada em Portugal e que conta com as castas Baga e Merlot e um volume de 11,5 por cento, ideal para celebrar vitórias e a vida.

Mais Lidas