Ver Angola

Saúde

Ordem de Enfermeiros alerta que malária está matar mais do que covid-19

O bastonário da Ordem dos Enfermeiros mostrou-se preocupado com o número elevado de casos de malária registados no país nos últimos meses, alertando que esta doença mata mais do que a covid-19.

:

"A Ordem dos Enfermeiros de Angola está muito preocupada com a situação da malária, nós temos estado a alertar o executivo para não se distrair olhando só para a covid-19, porque afinal de contas, hoje, podemos entender que a malária está a matar mais que a covid-19", disse Pascoal Luvualo, em declarações à Rádio Nacional de Angola.

Segundo Pascoal Luvualo, o alerta foi dado para não se chegar a um ponto de total descontrolo da situação.

"Nós temos poucos profissionais e, pelo número de casos, que estamos a ouvir da província de Benguela, que, para mim, é apenas a ponta do iceberg, onde uma unidade sanitária com a capacidade de 80 camas está a registar 200 pacientes internados para dois profissionais de enfermagem é extremamente grave", considerou.

Pascoal Luvualo frisou a necessidade de o Executivo pensar "imediatamente nessa situação", com vista a resolver o problema, que tem a ver com os medicamentos e os recursos humanos.

"Porque se, com 50 a 60 doentes por cada profissional de enfermagem, já é muito, o que falar de 100 a 150 por cada profissional de enfermagem", questionou.

As autoridades sanitárias da província de Benguela estão a braços com um surto de malária e dengue, com registo de 2000 casos por dia, dos quais, em cada 400 diagnosticados, morre uma pessoa, maioritariamente crianças dos zero aos 14 anos.

O actual quadro levou à superlotação das unidades de saúde, com mais de dois pacientes e partilharem a mesma cama, chegando em alguns casos a três pessoas, além das que são acomodadas nos corredores para o seu atendimento.

A malária é uma doença endémica em Angola, sendo a principal causa de morte no país, bem como de internamentos e de ausência escolar e laboral.

Relacionado