Ver Angola

Turismo

Vinte grupos empresariais interessados na privatização de hotéis do Infotur

Cerca de 20 grupos empresariais manifestaram interesse na privatização de três unidades hoteleiras da Infotur, nas províncias de Luanda, Benguela e Cabinda, propondo ao Estado a celebração de contratos de gestão e exploração.

:

Segundo o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE), no dia 28 de Maio foi realizada uma sessão de auscultação para a privatização da cadeia de Hotéis Infotur, na qual participaram perto de 20 entidades interessadas, na sua maioria angolanas.

O IGAPE informa, na sua página de Internet, que, nessa sessão, os investidores propuseram a privatização através da modalidade da celebração de contratos de gestão e exploração.

A proposta apresentada teve como base a dificuldade de venda das unidades, devido à falta de liquidez e a necessidade de inicialmente implementar estratégias para viabilizar as unidades hoteleiras, localizadas nas províncias de Benguela, litoral sul do país, Cabinda, no norte, e Luanda.

Os participantes na sessão, entre consultoras, advogados e empresários, um dos quais de nacionalidade italiana, sugeriram também visitas para avaliação do estado dos hotéis.

"Assim, apesar da recomendação do lançamento imediato do concurso, urge a necessidade de se acautelaro tempo necessário para se visitar as unidades hoteleiras antes do lançamento do concurso", salienta o IGAPE.

A sessão de auscultação, que decorreu no âmbito da implementação do Programa de Privatização (PROPRIV), visou "atender às solicitações de vários investidores, que, apesar do actual momento em que se combate a pandemia da covid-19, manifestam o interesse em participar nos processos de privatização, adaptando-se ao contexto".

O IGAPE tem em curso outros processos para privatização, nomeadamente o Banco de Comércio e Indústria (BCI) e recentemente o Banco Angolano de Investimentos (BAI).

Em declarações hoje à agência Lusa, o responsável pela comunicação do IGAPE, António Coimbra, disse que a alienação do BAI é o segundo processo do sector financeiro, depois do BCI, aos quais deverão seguir-se mais dois, incluindo uma seguradora.

Um despacho do Presidente João Lourenço determinou a alienação das participações sociais de 8,5 por cento da Sonangol Holdings e de 1,5 por cento da Empresa Nacional de Diamantes no BAI, de forma agregada, por via de concurso limitado por prévia qualificação".

Segundo António Coimbra, relativamente ao BAI segue-se a contratação, como aconteceu com o BCI, de um intermediário financeiro, que será mandatado pelo IGAPE a fazer a avaliação dos activos e a 'due dilligence' para posterior desenho do programa do processo de privatização.

Quanto ao processo de privatização das três indústrias têxteis, actualmente em curso, António Coimbra disse que o concurso está aberto até Agosto, estando a decorrer nesta altura contactos com os interessados.

"Tivemos vários contactos, no passado, de alguns investidores estrangeiros, e há também entidades nacionais, que de tempos em tempos nos vão questionando, fazendo perguntas sobre o ativo, mas estamos a aguardar. Estamos dentro do período ainda útil e estamos tranquilamente a falar com as pessoas", referiu.

Sem avançar nomes e nacionalidade, António Coimbra frisou que "há algum interesse", vindo sobretudo de pessoas entendidas da matéria, pela especificidade dos ativos.
"É um activo muito específico, é quase uma área de especialidade, e temos interesse de entidades desta indústria", salientou.

Trata-se das unidades têxteis Comandante Bula, na província do Cuanza Norte, África Têxtil, em Benguela, e Textang II, em Luanda.

Relacionado