Ver Angola

Política

UNITA pede inquérito sobre “desaparecimento” de 400 milhões de kwanzas do BPC

O grupo parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) vai exigir a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito para analisar o "desaparecimento" de 400 milhões de kwanzas do Banco de Poupança e Crédito (BPC).

: O presidente da UNITA, Liberty Chiaka (Foto: Lusa)
O presidente da UNITA, Liberty Chiaka (Foto: Lusa)  

"Neste momento o país está a viver um problema sério, desapareceram mais de 400 milhões de kwanzas no BPC e vamos exigir da Assembleia Nacional a constituição de uma comissão de inquérito. Seria incoerência da nossa parte, não confiando no Governo, confiarmos a gestão dos poucos recursos que nós arrecadamos à mesma comissão", disse esta Terça-feira, em conferência de imprensa, o presidente do grupo parlamentar da UNITA, Liberty Chiaka.

Segundo o líder parlamentar, a UNITA é contra a estratégia do Governo de recapitalizar o BPC, e propõe que seja, primeiro, feita uma auditoria, uma comissão parlamentar de inquérito, para, só depois de apuradas as falhas de todo o sistema de controlo interno do BPC, no qual se inclui também o Banco Nacional de Angola e o Ministério das Finanças, se defina "em que medida o Governo pode intervir no BPC".

"Senão, estaremos a colocar dinheiro num saco roto, não é solução", afirmou, acrescentando que para a UNITA a solução seria "investir nas empresas".

"Se o Governo destinasse o valor que quer colocar no BPC às empresas para salvaguardar empregos e por via disso a produtividade e a produção, o país estaria mais bem salvaguardado", frisou.

Na mesma conferência de imprensa, o grupo parlamentar anunciou a arrecadação de 14 milhões de kwanzas, fruto de contribuição de 50 por cento do salário dos deputados, para o combate à covid-19.

Questionado se o montante arrecadado será entregue à comissão interministerial de combate e prevenção da covid-19, Liberty Chiaka rejeitou, afirmando que o dinheiro será doado a algumas unidades hospitalares e centros médicos e de acolhimento em todo o país.