Resultados líquidos do banco Atlântico subiram 14 por cento em 2018

O banco angolano Atlântico aumentou os resultados líquidos em 14 por cento em 2018 face a 2017, disse à agência Lusa o presidente do conselho executivo da instituição financeira.
:
  

Segundo Daniel Santos, em 2018 o Atlântico consolidou o crescimento dos resultados, reforçou a solidez e a liderança, entre os bancos privados no crédito à economia, e subiu o rácio de solvabilidade para 15,9 por cento. 

"O resultado líquido foi de 27.000 milhões de kwanzas (73,77 milhões de euros), o que representa um crescimento de 14 por cento face a 2017", adiantou Daniel Santos à Lusa, admitindo, porém, ter havido uma "degradação da carteira de crédito", o que é "normal num contexto macroeconómico desafiante", pois o existente em Angola está em "ajustamento".

"O Atlântico terminou o ano com 9,5 por cento de crédito malparado, que é um rácio bastante abaixo da média do mercado, uma degradação face aos 7,5 por cento do ano de 2017 que estamos a verificar com muita atenção. Estamos a melhorar a forma de gerir crédito, não só para assegurar que o novo crédito é cada vez mais bem concedido como também para que a carteira seja antecipadamente mais bem gerida", argumentou. 

"As imparidades foram de 33 mil milhões de kwanzas (90,16 milhões de euros), o que representa uma parte relevante da nossa carteira de crédito. Nós temos hoje uma cobertura de 164 por cento da nossa carteira de crédito vencido coberta por imparidades, o que nos parece uma taxa de cobertura bastante relevante e adequada", acrescentou.

No entanto, para Daniel Santos, o facto de ter existido uma degradação da carteira de crédito e um reforço "muito relevante" das imparidades, "não quer dizer que haja perdas".

"Só depende da nossa responsabilidade para recuperarmos esse crédito, fazer com que ele volte a ser vincendo, como se diz na gíria bancária, e que volte a recuperar as imparidades que foram registadas", sublinhou, lembrando que as contas do exercício de 2018 foram aprovadas pelos accionistas do Banco Millennium Atlântico (Atlântico) na assembleia geral de 29 de Abril passado. 

Dado valorizado por Daniel Santos é o "forte crescimento do volume de negócios", influenciado por um aumento da base de clientes que, em 2018, ultrapassou os 1,3 milhões, um crescimento de 20 por cento face ao período homólogo (220 mil novos clientes).

"Em 2018, a captação de depósitos cresceu 30 por cento, situando-se nos 1043 mil milhões de kwanzas (2850 milhões de euros) e o crédito a clientes cresceu 14 por cento, totalizando 499 mil milhões de kwanzas (1226 milhões de euros), confirmando o Atlântico como o maior banco privado no apoio às empresas e às famílias", observou. 

Para Daniel Santos, o crescimento do volume de negócios e da base de clientes, "aliada a uma gestão mais eficiente dos recursos disponíveis", permitiu a "melhoria sustentada" dos resultados recorrentes do exercício - 27 mil milhões de kwanzas (73,77 milhões de euros), um crescimento de 14 por cento. 

"O bom desempenho do Atlântico é traduzido pelo reforço da solidez e robustez do seu balanço, através do reforço significativo das imparidades de crédito, que permitiram o aumento do rácio de cobertura do crédito vencido para 164 por cento, e da evolução positiva do rácio de solvabilidade, que se fixou nos 15,9 por cento, acima das exigências regulamentares de 10 por cento definidas pelo Banco Nacional de Angola (BNA)", sublinhou.

Destacando as potencialidades inovadoras do Atlântico no quadro do Internet Banking, Daniel Santos realçou também as parcerias que o banco está a desenvolver com instituições financeiras internacionais, que estão a ajudar a credibilizar o sistema bancário nacional.

Segundo o responsável, em 2018 foram assinados dois acordos para gestão das linhas de crédito com o IFC, instituição do Banco Mundial (BM), no valor de 100 milhões de dólares (89,3 milhões de euros) - uma de 50 milhões de dólares para financiamento às pequenas e médias empresas e outra, de igual montante, para "trade finance".

Outra linha de crédito foi assinada com o banco alemão Commerzbank para a gestão de 30 milhões de euros para financiar projectos de investimento destinado à diversificação económica em Angola.

O Banco Millennium Atlântico tem na sua génese o português BCP, cuja sucursal em Angola foi transformada num banco de direito angolano em 2006, Banco Millennium Angola SA, ao mesmo tempo que é criado o Banco Privado Atlântico, com sede em Luanda.

Em 2009, são concluídos os acordos de parceria celebrados com a Sonangol e o Banco Privado Atlântico (BPA), bem como um aumento do capital social do Banco Millennium Angola (BMA). 

A Sonangol passa a deter 31,5 por cento do capital do BMA e o BPA assume uma participação de 15,8 por cento no capital do Banco. O BMA, por sua vez, adquire uma participação de 10 por cento no capital do BPA.

Em 2016, é criado o Banco Millennium Atlântico, resultado da fusão entre o Banco Privado Atlântico e o Banco Millennium Angola, tornando-se no segundo maior banco privado em Angola.

O Atlântico tem como sócios maioritários o Interlagos Equity Partners SA (29,77 por cento), BCP África SGPS (22,52 por cento), Atlântico Financial Group (19,8 por cento) e a Jasper Capital Partners - Investimentos e Participações SA /15,25 por cento).

A estrutura accionista integra ainda a Quadros - Gestão de Ativos SA (4 por cento), Econumus - Capital Lda (3 por cento), Fundação Atlântico (2 por cento) e a Gemcorp Fund I Limited (1,9 por cento), estando dispersos os restantes 1,76 por cento de acções.

Mais Lidas