Ver Angola

Economia

Unidade de Informação Financeira admite “fraca supervisão” no sector não financeiro

A directora da Unidade de Informação Financeira (UIF), Francisca de Brito, admitiu esta Quarta-feira que o organismo exerce uma “fraca supervisão” principalmente na actividade não financeira, nomeadamente na imobiliária, jogos, advocacia, contabilistas e outras actividades.

:

"Mas quando falamos, por exemplo, de jogos e imobiliária e não estar lá o que deveria ser feito é para nós um problema", afirmou Francisca de Brito, quando falava durante um debate sobre "Prevenção do Branqueamento de Capitais e o Financiamento ao Terrorismo".

A responsável sustentou a insuficiente aplicação da legislação também constitui um problema para as acções do organismo que superintende, reconhecendo também a falta de estatísticas como um "grave problema" que é preciso resolver.

A problemática do 'compliance' (conformidade com leis e regulamentos) e supervisão das acções de Pessoas Politicamente Expostas (PPE) também foi tema de debate neste encontro, organizado pela Média Rumo, no âmbito das "Conversas com Rumo".

Para Francisca de Brito, não há qualquer problema em ser uma PPE, mas nelas, notou, deve sempre recair uma atenção especial por gerirem muito dinheiro, admitindo que esta é uma "difícil e grande discussão".

"Pede-se que as instituições tenham uma atenção especial às PPE porque elas gerem muito dinheiro, essa é uma discussão grande, mas elas merecem uma atenção especial porque gerem muito dinheiro", observou.

Na sua intervenção, em resposta a um dos participantes ao encontro, a directora da UIF assegurou um contínuo trabalho com todos os intervenientes e supervisores do sector financeiro para o consequente acompanhamento da regulamentação.

A Unidade de Informação Financeira, segundo a sua responsável, já se prepara para a regular avaliação por parte de organismos internacionais.

O sistema de anti-branqueamento de capitais e de combate ao financiamento do terrorismo foi tema em discussão neste encontro.