Ver Angola

Transportes

TAAG diz-se sem capacidade para atender exigências salariais dos pilotos

A TAAG informou esta Sexta-feira que “não tem capacidade financeira para realizar quaisquer reajustes salariais, como reivindicam os pilotos da companhia”.

:

Num comunicado de imprensa, a que a agência Lusa teve acesso, a companhia aérea refere que um reajuste nesta altura, quer no salário base, quer nas diversas componentes remuneratórias, poderia "pôr em risco a sobrevivência da empresa, pois estes ajustes configuram, na realidade, verdadeiros aumentos salariais, incomportáveis pela sua tesouraria".

Esta é a resposta da TAAG ao sindicato dos Pilotos de Linhas Aéreas, que solicita a revisão salarial desta classe de trabalhadores da empresa, num aumento equivalente em kwanzas a 3800 dólares cuja implementação exigem para este mês, com base num acordo de 2013.

A administração da TAAG sublinha que, ao longo dos anos, "nunca ficou alheia às preocupações e necessidades das várias classes, incluindo a do PNT (Pessoal Navegante Técnico)", bem como sempre respondeu, realizando os reajustes de todas as componentes remuneratórias dentro da capacidade financeira ao seu alcance".

"Por outro lado, a TAAG tem desenvolvido esforços para a dignificação da classe e elevação da integridade pessoal face às dificuldades e realidade do nosso país. Tal esforço é claramente identificado se comparadas as condições actuais e a sua evolução face às constantes do Acordo Laboral, firmado no ano de 2005, numa clara demonstração do reconhecimento legítimo das reivindicações expressas", lê-se no documento.

Segundo a companhia, o aumento de 20 por cento proposto e implementado em Fevereiro deste ano, decorreu do resultado dos estudos de impacto financeiro realizados e com referência ao índice de inflação que foi de 17,5 por cento, "constituindo um enorme esforço nas capacidades da empresa".

A empresa sublinha que este aumento não abrangeu o Conselho de Administração, e que pese embora sejam as responsabilidades dos pilotos diferenciadas dos demais, "é o esforço do universo de trabalhadores nas suas mais distintas funções que torna cabal a realização do objecto social da TAAG, enquanto empresa do ramo de transporte da aviação".

A administração da companhia aérea realça que o facto de a TAAG ter actualizado os preços dos bilhetes de passagem, em paralelo com a depreciação do kwanza, decorre da obrigatoriedade de o fazer no âmbito dos acordos tarifários celebrados com a IATA (International Air Transport Association).

"Esta aparente vantagem é consumida pela necessidade real de fazer face aos custos operacionais em moeda estrangeira, que correspondem a 80 por cento dos seus custos totais, não permitindo qualquer indexação de remunerações salariais ao dólar", acrescenta a nota.

Segundo a TAAG, a realidade financeira da empresa, bem como as reestruturações que a mesma necessita, com vista à sua manutenção, sustentabilidade e rentabilidade é do conhecimento do Sindicato dos Pilotos.

"O processo de reestruturação e da transversalidade das actualizações salariais, impõe cada vez mais, a necessidade de comprometimento de todos os trabalhadores da TAAG", refere o documento, sublinhando que "esta decisão da TAAG baseia-se na recuperação financeira e manutenção da empresa enquanto sociedade comercial rumo à privatização, não obstante ser ainda de capitais exclusivamente públicos".

A finalizar, a TAAG à compreensão e apoio do Sindicato dos Pilotos de Linhas Aéreas, enquanto parceiro social para a recuperação e manutenção da empresa, reiterou o compromisso de permanente diálogo com os sindicalistas, "na procura de entendimentos que satisfaçam ambas as partes".

Relacionado