Ver Angola

Política

Angolana Josefa Sacko reeleita para mais quatro anos na União Africana

A angolana Josefa Sacko, a única representante lusófona na comissão da União Africana, foi reeleita para mais quatro anos à frente da pasta da agricultura, economia azul e ambiente, segundo informação avançada este Sábado por Luanda.

:

"Em nome do executivo e no meu próprio, tenho a honra de felicitar a senhora Josefa Sacko, pela sua eleição para o cargo de Comissária Africana para Agricultura, Desenvolvimento Rural, Economia Azul e Ambiente Sustentável", adiantou o Presidente da República, João Lourenço, em comunicado.

Fonte diplomática adiantou à agência Lusa, Josefa Leonel Correia Sacko ultrapassou largamente dois terços dos votos necessários para a reeleição dos 55 estados-membros da União Africana, cujos Chefes de Estado e de Governo se reuniram neste Sábado e Domingo em cimeira.

João Lourenço felicitou igualmente Wilson de Almeida Adão e Pascoal António Joaquim, eleitos respectivamente como membros do Comité Africano de Peritos sobre os Direitos e Bem-Estar da Criança e do Conselho Consultivo da União Africana sobre a Corrupção.

"Regozija-nos saber que cidadãos nacionais mereceram avaliação positiva pela sua competência e elevada qualificação para exercerem cargos de grande relevância em prestigiados organismos internacionais", considerou o chefe de Estado.

No comunicado, João Lourenço expressou votos de que os três eleitos "desempenhem com brio e elevado sentido de profissionalismo" os cargos para que "dignifiquem as qualidades dos quadros angolanos".

A engenheira agrónoma e diplomata Josefa Leonel Correia Sacko foi durante os últimos quatro anos comissária para a Agricultura e Economia Rural, a que se juntam no próximo mandato a Economia Azul e o Ambiente, de acordo com a reestruturação da Comissão da UA, que passou de oito para seis comissários.

Antes da eleição para a União Africana foi conselheira especial do Ministério do Ambiente, tendo servido como responsável pelas alterações climáticas, bem como do Ministério da Agricultura, onde supervisionou a segurança alimentar, erradicação da fome e redução da pobreza.

Foi também Secretária-Geral da Organização Interafricana do Café (OIAC) durante 13 anos na Costa do Marfim, onde supervisionou a economia do café de 25 países africanos produtores.

Foi ainda consultora ou funcionária de várias instituições regionais e mundiais, incluindo a Organização Mundial do Comércio (OMC), União Africana (UA), Organização Internacional do Café (OIC), Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) ou Banco Africano de Exportação e Importação (AFREXIMBANK).

A nova comissão, a primeira a ser eleita após o processo de reforma da UA iniciado em 2016 sob supervisão do Presidente ruandês, Paul Kagamé, foi escolhida através de um novo sistema baseado no mérito, mas respeitando também critérios de género e de representação regional.

Para a presidência da comissão, foi reeleito o antigo primeiro-ministro e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Chade, Moussa Faki Mahamat, que se recandidatou sem oposição, sendo a vice-presidência ocupada pela economista e vice-governadora do Banco Central do Ruanda, Monique Nsanzabaganwa, eleita com 42 votos.

O zambiano Albert Muchanga foi também reeleito para comissário do Desenvolvimento Económico, Comércio, Indústria e Minas, tal como a egípcia Amani Abou-Zeid, que renovou o seu mandato como Comissária das Infra-estruturas e Energia.

Na cimeira ficou ainda decidido que o Senegal vai assumir a presidência rotativa da União Africana para o período 2022-2023, após uma escolha unânime dos 55 estados-membros da organização.

A candidatura do Senegal foi apresentada em bloco pelos países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), de que fazem parte os lusófonos Cabo Verde e Guiné-Bissau, após as desistências das candidaturas do Gana e do Togo.

A escolha para a presidência rotativa da União Africana é feita com um ano de antecedência, os países devem manifestar a sua vontade de assumir o cargo e a escolha, em regra, respeita critérios de representação geográfica.

O Senegal irá suceder na presidência à República Democrática do Congo (RDCongo), cujo Presidente Félix Tshisekedi assumiu este Sábado oficialmente a liderança da organização.

A União Africana foi criada a 11 de Julho de 2000 para substituir a Organização da Unidade Africana (OUA), fundada a 25 de Maio de 1963, e reúne atualmente 55 estados-membros, incluindo os lusófonos Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Relacionado