Ver Angola

Política

João Lourenço convidado de honra na comemoração da independência cabo-verdiana

O Presidente da República será o convidado de honra das comemorações do Dia da Independência de Cabo Verde, a 5 de Julho, anunciou o chefe de Estado cabo-verdiano em Adis Abeba.

:

Jorge Carlos Fonseca falava à saída de um encontro com o homólogo angolano à margem da cimeira da União Africana (UA).

"Falámos essencialmente da visita de Estado que o Presidente João Lourenço fará a Cabo Verde no mês de Julho, provavelmente a 3 e 4 de Julho, e será também a personalidade convidada especial para as comemorações oficiais do 45.º aniversário da Independência de Cabo Verde", disse Jorge Carlos Fonseca.

O Presidente cabo-verdiano, que é também presidente em exercício da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), revelou ainda ter abordado com João Lourenço a realização da próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da organização lusófona, marcada para 2 e 3 de Setembro, em Luanda.

"Falámos sobre a grande expectativa que existe de nessa cimeira ser assinado o decisivo acordo de integração comunitária, o acordo de mobilidade", afirmou.

Jorge Carlos Fonseca adiantou que a situação política e o diferendo pós-eleitoral na Guiné-Bissau não foram assunto entre os dois presidentes, que centraram a conversa nas relações bilaterais e na CPLP.

O Presidente João Lourenço não fez declarações aos jornalistas no final do encontro, tendo já deixado Adis Abeba.

João Lourenço e Jorge Carlos Fonseca foram os únicos chefes de Estado lusófonos presentes na cimeira da UA, tendo os restantes países estado representados ao nível de primeiro-ministro e ministras dos Negócios Estrangeiros.

Durante os trabalhos, Jorge Carlos Fonseca fez uma intervenção sobre o tema da cimeira, "Silenciar as Armas: Criação de Condições Favoráveis para o Desenvolvimento de África", considerando que mais do "uma importante proposição que deve nortear as intervenções de todos os Estados-membros" deve ser entendida "como um poderoso eco dos milhões" que no continente "clamam pelo direito a uma vida decente que tarda em chegar apesar de, paradoxalmente, estar ao alcance das nossas possibilidades".

"Honesta e sinceramente urge passar das palavras à ação e deixar de ignorar que, amiúde, o caldo de cultura para a proliferação de alguns dos males que nos afligem, como o terrorismo, diferentes formas de violência e de tráficos, se alimenta de políticas de exclusão, autoritarismo, intolerância cultural ou religiosa", sustentou.

Relacionado