Ver Angola

Matérias Primas

Cinco concessões de prospecção de metais vão ser entregues à empresa Anglo American

Angola vai entregar cinco concessões para prospecção de metais básicos à Anglo American – uma empresa de referência mundial no sector mineiro. O anuncio foi feito na Segunda-feira, na Cidade do Cabo, África do Sul, pelo ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo.

: Diamantino Azevedo, ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, com o seu homólogo sul-africano
Diamantino Azevedo, ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, com o seu homólogo sul-africano  

"Temos já, neste momento, outorgadas cinco concessões para prospecção de metais básicos a uma grande empresa de prospecção, a Anglo American. Estamos a negociar com outras grandes empresas de mineração. Assinámos o acordo para o projecto de exploração de minério de ferro e para implementação de uma siderurgia no projecto mineiro de Cassinga", afirmou, em declarações aos jornalistas, à margem da sua participação na Feira Internacional de Minas.

O governante explicou ainda que estão em curso outros projectos. É o caso da produção de ouro, "apesar de ainda numa escala pequena". Está também a ser desenvolvida a prospecção de ouro, cobre, terras raras, cobalto, lítio, entre outros. A ideia, de acordo com o ministro, é que estes projectos passem a ser minas.

Quanto à sua presença na Feira Internacional de Minas, Diamantino Azevedo revelou que o objectivo de Angola é atrair investidores a apostar na prospecção no país.

O ministro já tinha revelado, na cerimónia de abertura da feira, que o sector mineiro vai passar a ter um novo modelo administrativo. A novidade prende-se com a introdução da Agência Nacional dos Recursos Minerais para regulamentar o sector.

Quanto à comercialização de diamantes está em fase de análise a possibilidade de se criar uma Bolsa de Diamantes.

A ideia é "criar mais celeridade para a aprovação de investimentos no sector, trazer mais transparência e fazer com que os investidores se sintam mais confortáveis", explicou, acrescentando que espera que o novo modelo seja aprovado ainda este ano.

Relacionado