Ver Angola

Economia

Standard Bank Angola espera crescimento económico “manifestamente baixo” em 2020

O presidente executivo do Standard Bank Angola mostra-se preocupado com o crescimento “manifestamente baixo” esperado da economia do país em 2020, na ordem do 1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) estimado pela instituição.

<a href='http://www.angolaimagebank.com' target='_blank'>Angola Image Bank</a>:

Angola terá, em 2020, "um crescimento do PIB [produto interno bruto] relativamente pequeno. Nós estimamos ligeiramente acima de 1 por cento, que é manifestamente baixo para uma economia emergente como a angolana, que deveria estar a crescer pelo menos acima do nível da população", afirmou o português Luís Teles.

A população "cresce entre 3 a 3,5 por cento por ano, o que representa praticamente um milhão de pessoas, ou ligeiramente menos, a entrar para o mercado de trabalho" e é preciso criar postos de emprego, adiantou o gestor.

Para Luís Teles, a situação económica do país tem tido "uma evolução difícil, algo turbulenta".

Porque "está em recessão há vários anos seguidos e não consegue arrancar o crescimento económico, sobretudo pela via da dependência que tem do petróleo", referiu.

Por outro lado, na opinião do gestor, a diversificação tão desejada da economia, por forma a reduzir-se a sua dependência do petróleo também pode levar pelo menos uma década a ser conseguida.

"Temos visto o preço do petróleo baixo. E Angola sofreu também uma retracção do investimento no sector petrolífero, desde 2015, por efeito da queda do petróleo, o que fez com que, agora, o nível de produção seja mais baixo", sublinhou.

Este "duplo efeito fez exponenciar a dependência do petróleo, na medida em que não tem havido investimentos nos últimos anos suficientes para diversificar a economia", adiantou.

Desta forma, considerou que todas as medidas que estão a ser tomadas pelo Governo, embora sendo "meritórias" deverão "levar alguns anos a surtir efeito".

Para o CEO (presidente da comissão executiva) do Standard Bank Angola, "é difícil esperar que a diversificação de uma economia de 100 biliões de dólares se faça em dois anos".

"É uma coisa que não vai acontecer, porque exige, não só confiança dos investidores do sector privado, exige conhecimento técnico, exige disponibilidade financeira, não só dos accionistas, mas também dos bancos, liquidez para que possam apoiar esses projectos, que têm que ser implementados", apontou.

E continuou: "É necessário recrutar pessoas, pôr fábricas a funcionar, e tudo isso vai levar cinco a dez anos até começarmos a ver alguns resultados".

Assim, na opinião do gestor, "Angola ainda tem pela frente alguns anos muito difíceis".

Portanto, defendeu que "é necessário gerar emprego" e que haja mais investimento, tanto privado como público.

"Sabemos que o Estado está numa fase de elevado endividamento público e com um conjunto de restrições, devido ao programa do FMI, que não permite o Estado continuar a endividar-se", disse.

Quanto à possibilidade de mais empresas poderem deixar o mercado nacional, tendo em conta as dificuldades, o gestor admitiu que muitas já "reduziram as suas estruturas, para fazer face à situação actual do mercado".

Para o gestor o que é necessário haver agora é "um sinal positivo para as empresas, para que possam recomeçar o crescimento. Penso que esse sinal tem sido dado da parte do governo, mas ainda não se sente no mercado que tenha havido uma inversão da curva."

Por isso "continuamos a aguardar pelo início do crescimento económico", sublinhou, alertando que "é muito importante que haja uma descida das taxas de juro, (...) que haja um controle de preços".

No contexto actual da economia do país, o gestor português do Standard Bank Angola defendeu que as empresas portuguesas "tem uma responsabilidade acrescida", porque conhecem melhor o país do que a maior parte das suas congéneres de outras origens.

"Portanto, o movimento de entrar e sair de Angola, como às vezes as pessoas falam, é a pior coisa que pode acontecer, porque não gera confiança no mercado. É necessário manter a presença sempre, e, depois, vai-se ajustando a estrutura à dimensão do mercado", sugeriu.

Já para empresas que, neste momento, querem investir, o gestor recordou que Luanda "está a fazer um esforço enorme de atrair novo investimento".

Assim, "é preciso tomar decisões corajosas, por vezes, e entrar antes do mercado mudar".

"Não pode ser depois do crescimento económico acontecer que as empresas vêm", defendeu.

Luis Telles lembrou que têm sido anunciados investimentos públicos "relevantes" nos sectores mineiro, da energia e outros que "poderão dar a entender que há oportunidades em Angola para as empresas poderem trabalhar".

Em paralelo, no sector privado também há "boas oportunidades em Angola", concluiu.

Relacionado