Ver Angola

Economia

Prodesi já aprovou 1020 projectos no valor de 732,3 mil milhões de kwanzas

O Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi) aprovou, até ao momento, 1020 projectos no valor de 732,3 mil milhões de kwanzas. Os números significam uma taxa de aprovação na ordem dos cerca de 61 por cento.

:

Segundo os números apresentados pelo ministro da Economia e Planeamento, Mário Caetano João, no exercício económico deste ano, 359 projectos viram 'luz verde', correspondendo a 241,8 mil milhões de kwanzas.

Ainda durante o mesmo período, 448 projectos entraram na banca, sendo que 42 estão em negociação e os restantes já foram aprovados.

De acordo com o balanço, estima-se que os mais de 1000 projectos aprovados venham a criar cerca de 60 mil empregos e a aumentar o volume de negócios das empresas em cerca de 538,2 mil milhões de kwanzas, escreve o Jornal de Angola.

A lista de bancos com maior número de projectos aprovados é liderada pelo Banco de Desenvolvimento Angola (BDA), que deu 'luz verde' a 531 projectos, seguido pelo Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Agrícola com 142 projectos e pelo Banco Angolano de Investimento (BAI) com 76 projectos.

De acordo com o Jornal de Angola, quanto aos sectores, destaca-se a agricultura, com 557 projectos aprovados, seguida pelo Comércio e Distribuição (195) e a Indústria Transformadora (108).

Tendo em conta os resultados alcançados, o titular da pasta da Economia e Planeamento admitiu que a diversificação económica no país é irreversível.

Citado pela Angop, o governante indicou que o sector do petróleo representa 29 por cento do PIB, enquanto em 2011 ocupava uma fatia de 40 por cento. Esta diminuição da dependência do petróleo demonstra a eficácia dos programas de diversificação económica que o Governo tem vindo a desenvolver, indicou.

Mencionou ainda que no arranque do Prodesi, em 2019, foram validados 40 projectos, sendo que actualmente o programa já aprovou 1020. Apesar do crescimento, o ministro afirmou que continuam "muito ambiciosos, ultrapassando, assim, todos os constrangimentos, nesse percurso para se atingir os objectivos traçados, de fomentar a exportação através de incentivo à produção interna e diminuir a importação".