Ver Angola

Saúde

Governo de Luanda assina Declaração de Paris para erradicar HIV-SIDA até 2030

A Governadora de Luanda, Ana Paula de Carvalho, a Presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo e um dos representantes da ONUSIDA em Angola, assinaram esta Quarta-feira, no Salão Nobre do Governo da Província de Luanda, a “Declaração de Compromisso de Paris”, que visa erradicar o VIH-SIDA nas cidades, até 2030.

:

Lançada em 2014 pela ONUSIDA, e ratificada em 2021 pelo Governo, as acções constantes da Declaração de Paris serão acompanhadas atendendo às necessidades das pessoas que vivem com a doença no quadro da protecção dos direitos humanos, bem como na defesa da dignidade sobre os riscos de contaminação, refere um comunicado disponibilizado pelo Governo Provincial de Luanda (GPL).

A Governadora assegurou que este acto de assinatura espelha a vontade do Governo em cumprir as metas da Declaração de Paris, e que se enquadra igualmente, no processo de desconcentração e descentralização administrativa dos serviços de saúde em Luanda, apesar dos vários constrangimentos provocados pela covid-19.

Desta forma, Ana Paula de Carvalho exortou os órgãos da Administração do Estado em Luanda a "pensarem global mas a agirem de forma local", para que se possam atingir as metas das Nações Unidas e os munícipes tenham acesso a serviços de diagnóstico e tratamento de qualidade.

As metas têm como objectivo que 95 por cento dos portadores de VIH sejam conhecedores do seu diagnóstico, que 95 por cento dos diagnosticados estejam em tratamento antirretroviral e que 95 por cento estejam sustentadamente em carga suprimida.

Os cerca de 40 por cento de pessoas que vivem com VIH-SIDA "é razão bastante para se acelerar as acções que visam reduzir a taxa de seroprevalência em Luanda", acrescenta o GPL, o que obriga a elaborar o plano de aceleração, num contexto em que são visíveis os avanços científicos, bem como do activismo comunitário que visa sensibilizar e derrubar o estigma, através da informação correcta.

Dados do projecto "Nascer Livre para Brilhar" revelam que a taxa de cobertura de mulheres beneficiárias aumentou 34 por cento em 2018 e 68 por cento em 2020, tendo registado uma redução na taxa de transmissão de mães para filhos na ordem dos 28 e 19 por cento no período em referência.

Participaram no acto a ministra da Juventude e Desporto. Ana Paula Neto, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, o director da ONUSIDA para Angola, Michel Kouakou e a directora do Instituto Nacional de Luta Contra o HIV-SIDA, Lúcia Furtado, bem como directores provinciais e administradores municipais.