Ver Angola

Economia

Economist diz que suspensão da dívida ajuda mas é preciso mais para evitar ‘default’

A Economist Intelligence Unit (EIU) considerou que a suspensão do pagamento da dívida de Angola à China vai ajudar o país, mas serão necessárias mais ajudas financeiras para evitar um 'default' no futuro.

: DW
DW  

"A suspensão do serviço de dívida aos credores chineses vai dar algum espaço de manobra orçamental, mas mais suspensões de outros credores, como o G20 ou até credores privados, deverá ser necessária para evitar um incumprimento financeiro ['default', no original em inglês] no futuro", escrevem os peritos da unidade de análise económica da revista britânica The Economist.

Num comentário à aprovação da terceira revisão do programa do Fundo Monetário Internacional (FMI), enviado aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, a EIU escreve que "os dados do Banco Mundial mostram que Angola terá de pagar 4,3 mil milhões de dólares em 2021".

A nota acrescenta que "cumprir estas obrigações vai ser desafiante, uma vez que os preços do petróleo, e consequente receita, continuam baixos, originando o sexto ano consecutivo de queda no Produto Interno Bruto".

Nos últimos meses, o Banco Mundial tem apelado aos credores privados para participarem nas medidas de suspensão dos pagamentos da dívida, lembram os analistas, sublinhando que, para além da questão da descida do 'rating' em caso de falha de pagamento da dívida aos privados, "alguns credores oficiais estão preocupados que a suspensão dos pagamentos oficiais seja direcionada para pagar aos credores privados, em vez de os fundos serem direcionados para a despesa pública em saúde, para mitigar os efeitos da pandemia do novo coronavírus".

Na nota enviada aos clientes, a EIU lembra que já tinha previsto um acordo de reestruturação da dívida com a China, dona de quase metade da dívida externa angolana, e salienta que "os 6,2 mil milhões de dólares que Angola vai deixar de pagar até 2023 vão dar mais espaço orçamental e ajudar a evitar um ‘default’, devido à forte queda das receitas petrolíferas para pagar as obrigações da dívida".

No entanto, avisam, "os pagamentos nos anos futuros vão continuar a ser significativos, e mais alívio da dívida, ou até a reestruturação de mais dívidas, vão provavelmente ser necessárias".

O conselho de administração do FMI aprovou em meados de Setembro o pedido de Angola para o aumento da assistência financeira, desembolsando de imediato mil milhões de dólares e elevando o total do programa para quase 4,5 mil milhões de dólares.