Ver Angola

Banca e Seguros

Restrições no levantamento de dinheiro geram irritação entre clientes

Os clientes têm-se demonstrado descontentes e irritados com as limitações para levantar dinheiro. Para aumentar a insatisfação, soma-se ainda a má qualidade dos serviços, a dificuldades em movimentar contas bem como a falta de cartões multicaixa.

:

Os clientes queixam-se de que os bancos aplicaram limitações nos valores a poderem ser levantados, afirmando que esta situação se mantém, mais ou menos, há um mês.

Alguns clientes, em declarações à Angop, revelaram que, a título de exemplo, na semana passada o Banco de Comércio e Indústria (BCI) permitia levantar um máximo de 50 mil kwanzas por dia, mas nesta Quarta-feira o valor tinha sido alterado para apenas 30 mil.

Entre os vários constrangimentos que esta situação tem originado, destacam-se as grandes filas que têm vindo a ser criadas em frente aos bancos.

Em declarações à Angop, José Lando, um cliente do BCI, lamentou o sucedido que diz estar a causar vários obstáculos no quotidiano das pessoas, que ficam durante horas nas filas e depois não conseguem levantar a quantia pretendida.

O cliente também se queixou da escassez da emissão de cartões multicaixa, uma situação que diz durar há mais de um ano.

A situação parece ser transversal a outros bancos. À Angop, Felisberto Camuto, um cliente do Banco Atlântico, também se queixou da limitação para levantar dinheiro, afirmando que por dia o banco permite levantar 200 mil kwanzas.

Já Márcia Gonçalves, cliente do Banco Sol, também se queixa do mesmo: ao tentar levantar dinheiro foi informada de que só podia proceder ao levantamento de 100 mil kwanzas.

As restrições, segundo clientes que preferiram não ser identificados, também se registam nos bancos BFA, Keve, BPC, BAI, BIC, entre outros.

Para tentar solucionar a situação e acabar com as enchentes para levantar dinheiro, o Banco Nacional de Angola impôs algumas medidas, entre as quais o alargamento do horário das agências bancárias e a disponibilização de pelo menos 95 por cento em numerário nas caixas automáticas nos períodos com mais procura.

Relacionado