Ver Angola

Matérias Primas

PR quer polos diamantíferos noutras províncias do país

O Presidente manifestou-se esta Sexta-feira satisfeito com a inauguração do Polo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, um investimento de 77 milhões de dólares, que pretende ver replicado em outras províncias de produção deste mineral.

:

João Lourenço falava no final da cerimónia de inauguração do empreendimento localizado na província da Lunda Sul, que alberga fábricas de lapidação de diamantes, construído em 22 meses, com um investimento de 77 milhões de dólares, mais 2,3 milhões de dólares correspondente à fiscalização da sua execução.

O chefe de Estado disse que a ideia é "expandir essa indústria de lapidação de diamantes para outros pontos do país, de preferência para aquelas regiões que são produtoras dos diamantes".

"Caso concreto daqui, das províncias do leste, e com isso pretendemos não só ter maior rendimento do negócio dos diamantes, mas sobretudo garantir postos de trabalho para a nossa juventude", referiu Lourenço, regozijando-se com a informação de que cerca de 70 por cento dos postos de trabalho serão preenchidos com jovens locais.

"Só podemos estar satisfeitos com isso que estamos a ver, um empreendimento importante e que foi edificado num período inferior a dois anos. Há quem não acreditasse, na altura, quando se lançou a primeira pedra, que em 22 meses estaríamos a fazer a inauguração deste polo industrial", frisou, lembrando que se trata de um projecto evolutivo, apelando a outros investidores interessados para que montem fábricas de lapidação de diamantes.

O ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino de Azevedo, disse que se inicia uma nova etapa na expansão da cadeia de valor dos diamantes em Angola, salientando que apesar de ser secular a história da exploração de diamantes angolana, a primeira fábrica de lapidação nacional data somente de 2015, havendo já em Luanda três unidades fabris viradas para esta actividade.

"A decisão de construção deste empreendimento teve como base o objectivo constante no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022, de aumentar a produção de pedras e metais preciosos e estender a cadeia de valor a jusante", referiu.

Diamantino de Azevedo realçou "o esforço financeiro imensurável" da Sodiam, empresa de comercialização de diamantes estatal, com capitais próprios para que este projecto fosse possível.

"Apesar da situação da pandemia da covid-19, é nossa pretensão continuar a criar condições para a expansão da cadeia de valor, focando-se na implementação do novo modelo de comercialização de diamantes, eficaz e transparente e no fomento do segmento da lapidação e joalharia", frisou.

Segundo o ministro, a infra-estrutura, com uma área de cerca de 300 mil metros quadrados, tem como objectivo principal congregar empresas com foco na cadeia de valor dos diamantes, oferecendo uma infra-estrutura física e tecnológica adequada ao fomento e à dinamização do desenvolvimento da actividade.

O empreendimento comporta três áreas principais, designadamente uma comercial, com lojas, restaurantes, praças de alimentação, bancos, repartições fiscais, postos médicos, escritórios, habitação para trabalhadores e centro de convenções, outra industrial, de acesso restrito, com segurança reforçada e composta por 26 lotes de diferentes dimensões, destinados à implantação de fábricas e indústrias do ramo da mineração.

Diamantino de Azevedo salientou que estão já construídas quatro fábricas, das quais três foram esta Sexta-feira inauguradas, havendo capacidade no local para a instalação de um total de 26 unidades, para além de instalações para acomodar todos os serviços necessários para o bom funcionamento da actividade.

A última está reservada para a central híbrida, solar e térmica, para tornar o empreendimento independente da rede local e uma estação de captação, tratamento e distribuição de água.

No espaço foi igualmente construída uma escola fábrica para a formação de lapidadores e avaliação de diamantes, cuja actividade formativa se iniciou já há alguns meses em instalações provisórias em Saurimo, capital da Lunda Sul.

Relacionado