Coreia do Sul perspectiva nova era na cooperação com Angola

A Coreia do Sul está expectante numa nova era de cooperação com Angola face às reformas políticas e económicas que os dois países vivem, tendo manifestado vontade em reforçar a cooperação parlamentar, económica e parlamentar.
:
  

A intenção foi manifestada esta Quarta-feira, em Luanda, pela presidente da Associação de Amizade Parlamentar sul-coreana, Lee Hye Hoon, que chefia uma delegação de visita a Angola, adiantando que Angola vive um ambiente "mais democrático" e uma "grande liderança", referindo-se ao Presidente angolano, João Lourenço.

À imprensa, após a audiência que lhe foi concedida por Fernando da Piedade Dias dos Santos, presidente do parlamento, Lee Hye Hoon perspectivou uma possível cooperação, sobretudo no sector económico.

"Tivemos um tempo de ditadura e tínhamos muitas limitações na Assembleia [da Coreia do Sul], mas agora vivemos uma nova fase de aberturas e queremos contribuir no desenvolvimento de Angola", disse.

Sobre o encontro com o Presidente da Assembleia Nacional, Lee Hye Hoon disse terem sido analisados assuntos de cooperação entre as associações de amizades parlamentar da Coreia do Sul e de Angola, sobretudo no aprofundamento das propostas apresentadas durante a primeira reunião entre as partes, realizada em 2005.

"A cooperação bilateral diplomática é boa", finalizou a parlamentar sul-coreana, que regressa hoje à Coreia do Sul, após uma visita de dois dias.

Para o presidente do Grupo Nacional de Acompanhamento aos Parlamentos da Ásia e Oceânia de Angola, Sérgio Luther Rescova Joaquim, a cooperação com a Coreia do Sul pode relançar os grandes objectivos da troca de experiência, mas, também, no trabalho conjunto para a promoção do intercâmbio legislativo e governativo.

Luther Rescova referiu que a comitiva sul-coreana "acolheu de bom grado" as informações do novo quadro legal da actividade empresarial de Angola, sobretudo no respeitante ao investimento estrangeiro.

Segundo o deputado, o relançamento das relações visa ainda criar uma base de trabalho, no âmbito da formação de quadros e da troca de informações sobre os dois países, no que diz respeito a actividade parlamentar.

Mais Lidas