Ver Angola

Cultura

Novo romance de Agualusa tem como impulso a frase bíblica “no princípio era o verbo”

O novo romance de José Eduardo Agualusa, "Os Vivos e os Outros", tem como impulso central a primeira frase da Bíblia, “no princípio era o verbo", disse o autor à Lusa.

:

Em entrevista, Agualusa afirmou que o que fez foi "levar essa frase a sério" e "imaginar um fim do mundo, e a possibilidade do seu recomeço através da palavra".

"É a palavra quem cria a realidade. Quem inventa uma história, inventa um mundo. Não existe verdadeira ficção, na medida em que toda a ficção impõe uma realidade", afirmou o escritor.

Neste novo título, José Eduardo Agualusa recupera a sua personagem Daniel Benchimol, que surgiu pela primeira vez em "Teoria Geral do Esquecimento" e voltou em "A Sociedade dos Sonhadores Involuntários", enquanto narrador. Este livro termina com Daniel, ao lado da sua companheira, Moira, a instalar-se na Ilha de Moçambique, precisamente o cenário deste novo romance, onde decorrer um encontro de escritores.

"Neste romance, Daniel reaparece na ilha, com Moira grávida de nove meses. Gosto do personagem, mas creio que não voltará a aparecer em mais nenhum outro romance. Quem ler o livro até ao fim perceberá porquê", disse à Lusa.

Referindo-se à personagem e à sua ligação consigo declarou: "Talvez um outro eu, numa versão um tanto anedótica".

Sobre o facto de o romance ter como cenário a Ilha de Moçambique, Agualusa explica que o local lhe pareceu "um cenário perfeito para o romance que tinha em vista, uma história sobre isolamento, sobre o fim e a recriação de mundos, e, em particular, sobre a palavra enquanto instrumento para a construção da realidade".

No livro, o autor usa uma certa ironia em determinadas cenas e situações: "O livro inteiro é uma ficção satírica, como é, por exemplo 'O Vendedor de Passados', mas creio que também há nele alguma poesia. O que me move é tanto a revolta quanto a poesia".

Questionado sobre a situação política em Angola, país onde nasceu, José Eduardo Agualusa afirmou que "Angola continua a enfrentar imensos problemas, mas a sociedade está pacificada e existe liberdade de expressão e pensamento".

"Em Angola, o regime mudou com o afastamento de José Eduardo dos Santos. Até esse momento tínhamos a continuação, numa forma um pouco menos agressiva, do regime corrupto e ditatorial que se instalou no país após a independência. Hoje, vivemos uma realidade diferente", declarou.

Agualusa acrescentou que não é apenas o MPLA que está a tentar democratizar-se, mas que "também o principal partido da oposição, a UNITA, vem acompanhando esse processo".

"O Adalberto da Costa Júnior, atual líder da UNITA, parece-me um homem extraordinário, muito inteligente, muito dialogante, capaz de criar uma oposição mais dinâmica e criativa. E isso é bom para o país", realçou.

José Eduardo Agualusa nasceu há 59 anos, na cidade de Huambo, e é autor de mais de 20 títulos desde "A Conjura", a sua estreia literária em 1989.

Recebeu já diferentes galardões literários, entre eles, o Grande Prémio de Literatura RTP, por "Nação Crioula", em 1998, e ainda o Grande Prémio do Conto da Associação Portuguesa de Escritores e o Grande Prémio de Literatura para Crianças da Fundação Gulbenkian.

O romance "Vendedor de Passados" valeu-lhe o Independent Foreign Fiction Prize, em 2004, e com "Teoria Geral do Esquecimento" foi finalista do Man Booker International em 2016 e venceu o International Dublin Literaty Award no ano seguinte.