Angola e Cabo Verde querem mercado comum para artes, cultura e indústrias criativas

Os governos de Angola e de Cabo Verde pretendem implementar um mercado comum das artes, cultura e indústrias criativas, conforme prevê a declaração conjunta assinada Terça-feira, em Cabinda, pelos ministros da Cultura dos dois países.
:
  

A informação consta de uma nota enviada à agência Lusa pelo Ministério da Cultura, sobre a assinatura desta declaração, que prevê a celebração anual da "Semana da Morna" em Angola e do Kizomba em Cabo Verde, em datas a definir.

Na declaração assinada pela ministra Carolina Cerqueira (Angola) e Abraão Vicente (Cabo Verde), consta ainda a perspectiva de reforço da cooperação no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"Na declaração está igualmente expressa a necessidade de se estabelecer um mecanismo de intercâmbio que promova a troca de experiências e sinergias, bem como a troca de conhecimentos em áreas como a gestão museológica, gestão arquivística e de bibliotecas, direitos de autor e conexos, desenvolvimento do Carnaval e a certificação internacional de artesanato", avança o Ministério da Cultura de Angola.

Os dois países comprometem-se ainda em trabalhar em conjunto "para que com a maior brevidade se assine um novo Acordo de Cooperação no domínio das Artes, Cultura e Indústrias Criativas", na criação de um grupo de trabalho que estabeleça as linhas orientadoras da cooperação, que reúna anual e alternadamente, além de "garantir a presença regular de artistas e agentes culturais de diversas áreas nos grandes eventos", organizados por ambos os governos.

"Os ministérios pretendem também promover a troca de experiências no domínio da regulação das indústrias criativas, colaborar na criação de um programa de Bolsas de Acesso à Cultura com base na experiência de Cabo Verde", explica ainda a informação do Ministério da Cultura.

Mais Lidas