Edna Filipe: “A moda em Angola é um facto. Ainda nos vamos orgulhar muito”

Desert Roses Concept é um projecto de moda, de Edna Patrícia da Costa Filipe, natural e residente na província do Namibe. A marca, que surgiu há um ano, afirma-se como um novo conceito de aplicação e combinação do passado, presente e futuro. Abusando da diversidade cultural, das cores africanas e da beleza do seu povo, fixa-se com “uma identidade muito própria, tornando as peças verdadeiras obras de arte”. A estilista revelação do ModAngola 2015, sonha com o seu próprio atelier, e quer conquistar o país e o mundo com as suas criações.
:
  

Edna, fale um pouco sobre si... Onde nasceu, cresceu, onde se formou...

Sou Edna Patrícia da Costa Filipe, nasci e cresci na província do Namibe, onde vivo actualmente. Sou estudante no último ano do Curso de Comunicação Social, na Universidade Privada de Angola, na vizinha província da Huila.

Como é que surgiu o gosto pela moda?

Na verdade a moda foi-me inculcada no ambiente familiar... Sou cassula e cresci como a boneca de casa, aos olhos da minha mãe, a Dona Rosário da Costa. Cresci muito magrinha e alta, e quando comecei a ter consciência disso, comecei a interessar-me em ver programas de moda na televisão. Na altura, existiam algumas agências de modelos, no Namibe e Lubango, e quando completei 12 anos, os agentes das mesmas, começaram a indagar e a pressionar para me terem nas suas agências. Cedi à pressão e comecei a desfilar, obviamente com a autorização dos meus pais. Porém, o tempo não permitiu nem que as agências perdurassem, nem que eu continuasse a trilhar este caminho, mas tudo começou aí, o bicho andou adormecido e agora acordou.

No momento de criar quem ou o que é que a inspira? Quais são as suas referências?

Para ser sincera, sem querer parecer egoísta, geralmente penso em algo que eu gostaria de vestir e crio. Sou uma espécie de cobaia de mim mesma... (risos) Porém, existe uma riqueza multicolor que se esconde algures aqui, no sul de Angola: os Mukubais, o deserto que todos os dias enamora o mar, os encantos da welwitschia... Ufa! É um mundo completo e perfeitamente inspirador.

Como se define o estilo de Edna Filipe?

Hummm... Tradicional e sexy!

Fale-me um pouco da sua marca, Desert Roses Concept. Como e quando surgiu...

Desert Roses Concept é uma forma desapaixonada e dizer "Welwitschia Mirabilis". É um novo conceito de aplicação e combinação do passado, presente e futuro, abusando da diversidade do mosaico cultural africano, da magia, do perfume, das cores e da beleza do seu povo, firmando uma identidade muito própria, tornando as peças verdadeiras obras de arte.

Bem, tudo começou quando decidi fazer algumas roupas para mim. Desenhei cinco peças e mostrei ao Alfredo Capitamolo, coordenador do Projecto CriativU, que admirou a audácia e me desafiou a fazer mais 15 modelos. Depois de alguns dias, mostrei os resultados e ele perguntou se alguma vez pensei em ter uma marca ou em ser estilista. Eu disse que sim e ele desafiou-me a preparar uma colecção. Preparei-a e fiquei encantadíssima com os resultados... E aqui estou, amando cada dia desta linda viagem, que começou há um ano.

Nas suas colecções, normalmente quem é o público-alvo? Mulheres, homens, crianças?

Mulheres e homens. Gosto muito de crianças e muito brevemente começarei a dedicar espaço para elas, quero sentir um pouco deste amor.

Quais as experiências mais marcantes, positivas e negativas, desde que ingressou no mundo da moda?

Bem, a marca está a completar um ano e até aqui só tive boas experiências. Todas foram marcantes e únicas.

Como vê a moda em Angola?

A moda em Angola é um facto, está a evoluir a uma velocidade incrível, e tem talentos muito nobres. Acho que o futuro nos reserva muitas surpresas. Ainda nos vamos orgulhar muito.

Apresentou uma colecção na 19.ª edição do Moda Luanda 2016... Como foi participar num evento tão importante como este?

A minha estreia foi no Moda Benguela, foi lá onde comecei em 2015. Participar no Moda Luanda foi espectacular. É um evento em que todos os estilistas querem participar, novatos e veteranos. É simplesmente um dos principais palcos da moda angolana. Foi uma experiência muito digna, completar um ano e apagar a vela no palco do Moda Luanda... Foi simplesmente mágico. Sentimos olhares, conseguimos fotografar o silêncio na sala de desfiles, enquanto a nossa colecção é apresentada. No final, ouvimos aplausos e vimos sorrisos rasgados... Face a isto, a minha humilde apreciação, permite-me afirmar que o público recebeu bem. Estamos a acompanhar também o eco dos media, o retorno de outros criadores de moda e a aprovação das pessoas, e acreditamos que sim, fomos bem recebidos.

Descreva-nos um pouco da colecção "Alambamento" que apresentou no Moda Luanda.

A colecção "Alambamento", pretende introduzir uma forma diferente de vestir os casais no dia de alambamento, e/ou em qualquer outro evento afim. É para todos os casais, cuja intimidade e cumplicidade ultrapasse os ditames e rótulos dos padrões sociais.

Como tem sido a adesão às suas criações por parte dos angolanos?

Tem sido boa. Estamos a trabalhar para que seja excelente.

Ambiciona apresentar o seu trabalho no estrangeiro?

E porque não? (risos) Estamos a trabalhar para conseguir essa proeza.

Já foi premiada pelo seu trabalho como estilista? Qual o prémio que mais ambiciona?

Sim, fui Estilista Revelação no ModAngola 2015. Ai... Os prémios... Deixe-me ver, hum... Estilista do Ano! (risos) Mas há ainda muito trabalho pela frente, e prefiro concentrar-me nisso. Os prémios são uma consequência, e se o meu trabalho me tornar merecedora, receberei com muita honra.

Diga-me dois ou três exemplos de peças que lhe tenham dado um especial prazer em criar.

Bem, as peças são como filhos... Cada uma tem o seu encanto e cada uma transmite as suas vibrações. Tenho uma ligação muito especial com cada uma, dói quando as vendo... (risos)

Quem é que gostava de vestir?

A Primeira-dama da República, claro.

Qual foi o pedido mais extravagante que um cliente lhe fez?

Tive que reinventar o traje típico dos Mukubais, para vestir um casal, na celebração do seu alambamento.

Tem projectos para o futuro?

Primeiramente, pretendo formar-me em alguns domínios da moda, de forma a melhorar o meu trabalho e ampliar o meu core... Abrir um atelier meu e começar a trabalhar para conquistar Angola, África e o mundo!

Por fim, para si qual é o poder da moda?

A moda é uma linguagem universal, assim como é a música e a dança, e tem o poder de comunicar para a mudança, a mudança do mundo.

Galeria

Mais Lidas