Ver Angola

Transportes

Aeroportos nacionais perderam meio milhão de passageiros no primeiro trimestre de 2021

Menos 500 mil passageiros passaram pelos aeroportos de Angola nos primeiros três meses de 2021, correspondendo a uma quebra de 76 por cento face ao período homólogo, segundo dados obtidos pela Lusa junto do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAVIC).

:

O impacto da pandemia de covid-19, cujos primeiros casos no país foram reportados a 21 de Março de 2020, afectou em particular o aeroporto de Luanda, que assistiu a uma perda de 78 por cento no movimento de passageiros, passando de 466.498 no primeiro trimestre de 2020 para 102.778 no período homólogo de 2021.

Em Cabinda, o segundo maior aeroporto, o tráfego de passageiros diminuiu 69 por cento, passando de 82.336 entre Janeiro e Março 2020 para 25.503 no primeiro trimestre deste ano.

No total, o número de passageiros em Angola reduziu-se de 658.050 para 157.922, ou seja, menos 500.128 pessoas passaram pelos 30 aeroporto e aeródromos listados pelo INAVIC.

O número de voos caiu praticamente para metade, sendo contabilizadas 6373 ligações entre Janeiro e Março de 2021 contra 14442 em igual período do ano passado.

O transporte de carga e correio foram menos afectados pela pandemia. A carga movimentada fixou-se em 4610 toneladas nos primeiros três meses de 2021, face a 6903 toneladas no ano passado, uma variação homóloga de -33 por cento, enquanto o volume de correio transportado este ano foi de 75 toneladas, contra as 135 do período homólogo (-44 por cento).

Angola tem adoptado medidas de suspensão temporária ligações a alguns países para controlar a pandemia, mantendo o seu espaço aéreo fechado aos voos regulares desde 20 de Março.

Actualmente, operam no aeroporto de Luanda sete companhias internacionais, incluindo a TAP, com 11 voos semanais, além da transportadora nacional TAAG, com mais quatro frequências, ligando Angola a Portugal, São Tomé e Príncipe e África do Sul.

A 10 de Maio, o governo interditou, temporariamente, a entrada no país de estrangeiros não residentes provenientes do Brasil e Índia, determinando "quarentena institucional obrigatória" aos nacionais e estrangeiros residentes oriundos de ambos os países, medida que se mantém até 8 de Junho.

No entanto, a TAAG retomou já as ligações com o Brasil (Luanda-São Paulo), apenas para voos de carga, que serão feitos quinzenalmente, segundo uma fonte da companhia aérea.