Ver Angola

Matérias Primas

Sodiam fecha 2019 com resultado líquido de 27,1 milhões de dólares

A Sodiam - Empresa Nacional de Comercialização de Diamantes de Angola registou um resultado líquido de 27,1 milhões de dólares, em 2019, mesmo com o declínio mundial registado no mercado diamantífero.

: Simon Dawson/Bloomberg
Simon Dawson/Bloomberg  

Em comunicado, a que agência Lusa teve acesso na Sexta-feira, a Sodiam sublinha que no ano passado a empresa viu os custos da sua operação reduzirem-se em 17 por cento, mantendo a tendência iniciada em 2018, enquanto que a sua contribuição fiscal teve um aumento de cerca de 21 por cento.

A administração da empresa considera que o exercício económico foi "positivo", porque "assegurou bons resultados" para a Sodiam e para o accionista Estado, "embora continue a gerir os efeitos do negócio difícil, e que em muito tem influenciado as reservas que ainda se mantêm no parecer do auditor externo, ou seja, a operação efectuada em 2012, com a Victoria Holding Limited (De Grisogono)".

"Apesar disso, mantém-se firme a presença da Sodiam no mercado nacional e internacional, contribuindo assim para que Angola se torne num dos mais relevantes 'players' do sector diamantífero a nível mundial", refere a administração, citada no documento.

De acordo com o documento, os resultados alcançados em 2019 não tiveram a mesma performance que em 2018, devido à comercialização de apenas 20 por cento do total da produção, conforme estabelece a legislação em vigor.

"A Sodiam aumentou o seu activo em cerca de 5 por cento, reduziu as obrigações de médio e longo prazo para 23 por cento e registou um rácio de liquidez geral de 2,5 (o valor normal para este rácio deve ser superior a um). Este rácio apresenta a capacidade de a empresa atender aos compromissos de curto prazo. Refira-se que se este valor for inferior a um, a empresa, salvo algumas situações específicas, poderá estar em dificuldades - facto que não acontece com a Sodiam", lê-se no comunicado.

Relativamente à apresentação de contas, a empresa realça que foram registadas "melhorias significativas", tendo passado de 14 reservas do auditor externo, em 2017, para quatro, em 2018, e três, no ano passado.

"Nestes últimos anos de trabalho, a Sodiam eliminou 11 excepções do auditor externo e não registou qualquer reserva adicional no que respeita à sua actividade e gestão correntes", sublinha a empresa.

A Sodiam é a empresa estatal responsável pelo controlo e supervisão de compra, venda e exportação/importação de diamantes em Angola, sendo o comprador e revendedor de 15 por cento a 20 por cento da quota de produção autorizada, comprador e revendedor exclusivo de diamantes brutos de origem e exploração semi-industrial/cooperativas mineiras.