Ver Angola

Comércio

Pioneira na montagem de electrodomésticos no país já pensa na exportação

Resultado de um investimento de 10 milhões de dólares, a ICC-Angola é pioneira na montagem de electrodomésticos no país, preparando-se para atingir a marca de 100 mil aparelhos de ar condiconado por ano. A exportação é o próximo passo mas está condicionada pela falta de matéria-prima no país.

: Ahmad El Kara, administrador da ICC-Angola e Victor Fernandes, ministro da Indústria e Comércio
Ahmad El Kara, administrador da ICC-Angola e Victor Fernandes, ministro da Indústria e Comércio  

Desde o final do ano passado que a empresa administrada por Ahmad El Kara monta aparelhos de ar condicionado, fogões a gás, televisores, geladeiras e arcas frigoríficas no Pólo Industrial de Viana. Com um investimento a rondar os 10 milhões de dólares foi erguida uma fábrica – num espaço de 20.000 metros quadrados – contando com cinco linhas de produção.

De acordo com declarações do administrador ao Jornal de Angola, numa primeira fase serão produzidos, anualmente, 50 mil televisores, 30 mil geleiras, 30 mil arcas e 50 mil fogões. A montagem dos electrodomésticos é assegurada por 120 jovens angolanos que receberam formação de especialistas.

O próximo passo do projecto passa agora por um aumento da produção. Segundo Ahmad El Kara a intenção passa por atingir, a curto prazo, o mercado externo. A República Democrática do Congo será um dos primeiros países a explorar, tendo em conta a facilidade de transporte atrasvés do Caminho-de-ferro do Lobito.

No entanto, a maior condicionante à internacionalização da ICC-Angola passa pela necessidade de matéria-prima: "Nós podemos dobrar a quantidade de produção desde que tenhamos matéria-prima suficiente. Podemos abastecer o mercado interno e posteriormente exportar o excedente", referiu o administrador.

O projecto estrutural da fábrica teve início em 2017, sendo que a produção começou no final de 2019. A empresa garante oferta de electrodomésticos testados e "com qualidade igual ao produto importado", prevendo um aumento da produção logo que exista maior oferta de matéria-prima.