Ver Angola

Cultura

Adjany Costa assinala Dia Internacional da Dança com mensagem de esperança para o sector cultural

Depois de assinalar o Dia Mundial do Ambiente, Adjany Costa não quis deixar passar em branco o Dia Internacional da Dança, data que se comemorou esta Quarta-feira. A ministra destacou a dança como “uma das principais formas de manifestação cultural de um povo”, afirmando que em Angola esta forma de arte não é excepção.

:

Rebita, kuduro, vaiola, tchianda, kazukuta, semba e kizomba — património nacional. São vários os estilos de dança destacados pela ministra da Cultura para considerar o povo angolano como “milionário” nestas e noutras tantas formas de expressão cultural dançantes.

No entanto, alerta, é preciso “rentabilizar essa riqueza”, valorizando, protegendo e expandindo, afirma, em comunicado remetido ao VerAngola.

A governante assinala o Dia Internacional da Dança lamentando, contudo, uma celebração “à distância e em modo de confinamento”, tendo em conta a pandemia de covid-19, mas apela aos fazedores da arte que a pratiquem, como forma de manter a sanidade física e mental de todos.

“Para nós, a dança tem uma enorme representatividade nas nossas expressões culturais, modernas e passadas. São um legado, e o impacto que têm na nossa realidade actual, pode e serve de catalisador para mantermos a nossa sanidade física e mental em bom estado de conservação”, refere.

Adjany Costa relembrou ainda que a paralisação do sector cultural, e em particular dos espectáculos ao vivo, é um efeito do isolamento social com consequências pesadas no tecido sócio-profissional das artes.

Instou os agentes culturais a reflectirem e a desenvolverem “maneiras de não se parar”. Destacou a utilização das novas tecnologias, através das quais é possível “criar e dar a conhecer o trabalho que já se fez e que se pretende fazer num futuro que não tardará”. 

Institucionalizado pelo Comité Internacional da Dança da UNESCO em 1982, o Dia Mundial da Dança é celebrado na data de nascimento do bailarino e mestre de bailado Jean-Georges Noverre (1727-1810), considerado um dos pioneiros da dança moderna.