Ver Angola

Comércio

Casa do Marquês: catering português investe mais de quatro milhões para chegar a Angola

A Casa do Marquês, empresa portuguesa de catering e organização de eventos, vai investir mais de quatro milhões de dólares para se expandir para Angola, processo que se deverá concretizar até ao final do ano, afirmou o presidente executivo.

Casa do Marquês:

De acordo com José Eduardo Sampaio, a criação de “uma réplica” da Casa do Marquês em Luanda acontecerá em parceria com um investidor local e deverá empregar entre 30 a 40 trabalhadores numa fase inicial. A par do processo de internacionalização para Angola, que está a ser conduzido pelo filho do presidente Gonçalo Seijo, está ainda a ser avaliada a hipótese de expansão para o Médio Oriente, com o Dubai na lista de preferências.

Em declarações aos jornalistas, José Eduardo Sampaio adiantou que quer levar a Casa do Marquês para fora de Portugal, mas explicou que é um processo difícil, uma vez que o objectivo é manter o nível de serviço da empresa, que em Angola já realizou vários eventos, como o casamento das duas filhas do Presidente, José Eduardo dos Santos.

Em 2014, a Casa do Marquês registou um volume de negócios superior a nove milhões de dólares, o que representou um crescimento de 15 por cento em relação ao ano anterior. A perspectiva é manter o ritmo de crescimento nos próximos anos, acrescentou.

Com 25 anos de existência, a Casa do Marquês organiza grande parte dos eventos promovidos pelo Estado português, como a ressecção a chefes de Estado, tendo ainda na carteira de clientes as grandes empresas nacionais e internacionais. A empresa tem cerca de 80 trabalhadores (cerca de metade na cozinha) e, em alturas de pico - no dia 19 de Dezembro de 2014 realizaram 14 eventos - chega a empregar cerca de 200 pessoas.

Com o centro de operações instalado no Prior Velho, a Casa do Marquês concentra todas as operações necessárias à realização de eventos, desde a confecção dos têxteis, à construção e adaptação do mobiliário, proporcionando aos clientes serviço 'chave-na-mão'.